Votação do Orçamento Impositivo fica para segundo semestre

Proposta de Emenda à Constituição é de autoria do deputado Henrique Arantes (PTB). Para ser aprovada são necessários, no mínimo, 25 votos favoráveis

Henrique Arantes na tribuna | Foto: Macos Kennedy

Rafaela Bernardes

A votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Orçamento Impositivo, de autoria do deputado Henrique Arantes (PTB), vai ficar para o segundo semestre. A matéria recebeu, na última semana, emenda do deputado Hélio de Sousa (PSDB) no intuito de reduzir o impacto da PEC ao orçamento de 2018.

“O fato do projeto não ter sido votado nesse primeiro semestre não altera em nada. O importante, é que a PEC do Orçamento Impositivo seja votada e aprovada ainda neste ano. Acho até melhor a gente ter mais tempo para discutir essa proposta para poder engrossar o apoio na Casa e, consequentemente, aprovar o projeto com mais facilidade”, afirmou o autor da proposta, Henrique Arantes.

A matéria determina que o executivo estadual seja obrigado a executar as emendas parlamentares ao Orçamento até o limite de 1,2% da receita corrente líquida realizada no ano anterior. Caso a proposta seja aprovada, com a emenda proposta pelo tucano Hélio de Sousa, já no primeiro semestre de 2018, cada um dos 41 deputados goianos terá R$ 3 milhões para obras e investimentos.

Sobre a resistência por parte dos parlamentares da base para a provação da matéria, o jovem petebista diz que não acredita que enfrentará problemas para a aprovação da sua proposta.

“Na verdade só tem aumentado o apoio ao projeto. Eu vejo o cenário positivo. Já temos 30 votos favoráveis para a aprovação da PEC”, anunciou.

Por se tratar de emenda à Constituição a proposta exige a maioria absoluta para sua aprovação, ou seja, no mínimo 25 votos favoráveis. Em sendo aprovada, a PEC será promulgada no Diário Oficial da Assembleia Legislativa, sem necessidade de sansão ou veto pelo governador Marconi Perillo (PSDB).

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.