Vítimas de grupo que induzia o suicídio por meio da Deep Web tinham relação de amizade

Membros de organização agiam demonstrando falsa empatia, convidando pessoas a integrarem o grupo e instruindo maneiras de tirar a própria vida

Grupo que incitava o suicídio agia por meio da Deep Web. | Foto: Reprodução internet.

Um grupo investigado pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), está sendo acusado de estimular o suicídio de jovens por meio da chamada Deep Web. De acordo com a polícia, duas vítimas dos criminosos eram amigas que residiam no Paranoá, em Brasília. A primeira delas veio a cometer suicídio em fevereiro, ingerindo uma quantidade de remédio que foi indicada pelos próprios integrantes do grupo em que ela estava. Ela tinha 21 anos e era gamer. 

A polícia ainda não sabe se a amiga dela, que tinha 22 anos de idade e trabalhava em um escritório de advocacia, também veio a tirar a própria vida um mês depois por ter sido influenciada por esse grupo. A primeira menina teria chegado a se arrepender de seu ato após ter tomado os medicamentos, tendo pedido socorro aos seus pais e sendo encaminhada a um hospital. No entanto, ela não resistiu e veio a óbito. 

De acordo com o Correio Braziliense, as investigações sobre os casos deram conta de que a primeira jovem que cometeu suicídio fazia parte de um grupo denominado “Catch the Bus”, expressão em inglês que faz referência ao cometimento de suicídio. Os administradores do mesmo atuavam na Deep Web, agindo de maneira aparentemente solícita com as vítimas, dizendo que entendiam os problemas e vontades delas, demonstrando falsa empatia. Depois de atraírem as pessoas, eles começavam a dar dicas de como tirar a própria vida. No entanto, a PCDF afirma que nenhuma das pessoas que comandavam o grupo chegou a praticar as ideias que disseminavam.

Três pessoas foram presas por fazerem parte do grupo. Dois desses mandados foram cumpridos em Goiânia e um em São Paulo. Um outro suspeito é do Rio de Janeiro e está foragido. Os acusados responderão pelos crimes de incentivo ao suicídio, resultado morte e associação criminosa. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.