Vítima de estelionatário que vendia falsos planos de saúde desabafa: “Ele matou meu pai”

Homem de 53 anos morreu esperando exames prometidos por Marlos Luz da Silva, preso pela Deic e investigado por série de golpes

Foto: divulgação/ Polícia Civil

Um caso investigado pela Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic) começa a ganhar novos elementos testemunhais que descrevem a ação sórdida de um estelionatário preso em Goiânia. Acusado de praticar golpes na região metropolitana, Marlos Luz da Silva Júnior é tido por familiares de uma das vítimas como calculista.

“Ele usa da necessidade das pessoas para enganar”, desabafa Jessiane Ramos, filha de Jovenil de Morais Ramos, de 53 anos, que pagou à Marlos R$ 700 por um plano de saúde prometido pelo golpista. Com a saúde debilitada, precisando de exames do coração, o pai de Jessiane teria sido contatado por telefone, quando foi convencido de que o plano daria a ele direito aos exames que precisava.

Com registro de várias idas às unidades indicadas pelo golpista, o homem recebia a informação de que não havia o encaminhamento do exame, como prometido por Marlos. Após a série de tentativas, Jessiane conta que a família começou a desconfiar e entrou em contato pedindo a devolução do dinheiro. “Mas ele insistia e dizia ‘se não tiver a consulta eu vou procurar outro cardiologia para o senhor’”, relembra a filha.

Jovenil de Morais Ramos | Foto: arquivo pessoal

Em uma das tentativas de reembolso a família foi informada de que teria o dinheiro depositado, apesar disso recebeu um depósito com envelope vazio.

Nove dias após o primeiro contato, em maio deste ano, sem os exames e com recorrentes situações de estresse em decorrência do golpe, o homem de 53 anos morreu. Ele sofreu um ataque cardíaco. Jessiane denuncia que no dia do mal súbito do pai ele havia conversado com Marlos: “Meu pai não aguentou”, e cobra por justiça: “Não é pelo dinheiro, é pela justiça. Eu quero que ele fique preso. Ele arrancou a metade de nós. Meu pai gostava de viver, curtia com a gente, dirigia, viajava”.

Venda de cargos

As investigações contra Marlos apontam que, além dos falsos planos de saúde, o estelionatário agia também com a promessa de cargos comissionados no Governo do Estado, cobrando taxas de R$ 1 mil em documentos e cursos para as ocupações no Executivo com salário de R$ 4 mil. As vagas não existiam e para as vitimas restaram apenas os prejuízos.

Preso, Marlos Luz da Silva Júnior, em interrogatório policial, confessou os fatos. Em seguida, foi levado a Unidade Prisional onde estará à disposição da Justiça.

2 respostas para “Vítima de estelionatário que vendia falsos planos de saúde desabafa: “Ele matou meu pai””

  1. gilmar costa disse:

    Complicado um marginal que usa a necessidade das pessoas para aplicar Golpes. Temos tomar cuidado com uma oferta que não condizem com a realidade do mercado. Golpistas como esse sempre usam a boa fé das Pessoas. Parabéns jornal opção sempre com otinas matérias.

  2. AGESGO disse:

    Ex-assessor de vereador de Goiânia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.