Vigília contra reajuste do IPTU/ITU na porta da Câmara continua

Na tarde desta quinta (4/12), vereador Thiago Albernaz (PSDB) assume a tenda para colher assinaturas contra nova alíquota

Vereador concede entrevista em frente à tenda armada na porta da Câmara | Foto: reprodução / Facebook Elias Vaz

Vereador concede entrevista em frente à tenda armada na porta da Câmara | Foto: reprodução / Facebook Elias Vaz

Vereadores, entidades de classe e associações de moradores estão desde a terça-feira (2/12) fazendo uma vígilia, na porta de entrada principal da Câmara de Goiânia, contra o reajuste do IPTU/ITU para o próximo ano. Na tarde desta quinta-feira (4/12) às 14 horas, o vereador Thiago Albernaz, líder do PSDB, assume a tenda onde é realizada a manifestação.

A intenção da vigília é mobilizar o maior número possível de contribuintes do IPTU contrários ao reajuste proposto pelo prefeito Paulo Garcia, do PT, de 57,8% para 2015 e 29,7% para 2016. Outros vereadores contrários ao reajuste abusivo já passaram pela tenda.

“A sociedade está mobilizada e não admite que o vai e volta de leis do Paço que confunde a cabeça do contribuinte venha mais uma vez punir o cidadão. Convidamos a população a participar do abaixo-assinado e a percorrer os gabinetes dos vereadores para barrar o reajuste abusivo”, afirma Thiago Albernaz. Na vigília também serão colhidos depoimentos e assinaturas contrárias ao projeto do prefeito.

IPTU

O projeto que atualiza a Planta de Valores para 2015, com reajuste do IPTU/ITU, encontra-se na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, aguardando para ser votado e, em seguida, ser encaminhado para ser votado em plenário, em primeira discussão. Até os vereadores de apoio ao Paço continuam discutindo com o prefeito sobre a necessidade de redução dos índices propostos.

A expectativa é que esse acordo aconteça hoje ou amanhã para que a matéria seja votada na CCJ e posteriormente no plenário. O reajuste do IPTU tem de estar aprovado pela Câmara até o próximo dia 20, para poder vigorar a partir de 1º de janeiro de 2015.

Deixe um comentário