Via decreto, prefeito deve regulamentar uso de mototaxímetro em Goiânia

Prestadores de serviço terão 90 dias para instalarem o equipamento. Fiscalização pode voltar a ser feita pela SMT 

Foto: Reprodução

A prefeitura de Goiânia anunciou neste sábado (12/5) que vai regulamentar, via decreto, o uso de taxímetro pelos mototáxis da cidade. O documento será assinado pelo prefeito Iris Rezende (MDB) na próxima segunda-feira (14/5), no Paço Municipal.

Além de tornar obrigatório o uso do equipamento, o decreto também vai estabelecer o preço a ser cobrado. Segundo informação da prefeitura, a bandeira será única com preço inicial de R$ 3 com adicional de R$ 1,44 por quilômetro rodado. A hora parada custará R$ 17,80.

Os motoristas terão 90 dias a partir da assinatura do decreto para instalarem o equipamento de medição.

O secretário municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade, Fernando Santana, avalia que este será um instrumento importante na fiscalização do serviço, uma vez que “o usuário terá mais uma forma de saber se o mototáxis está regular ou não, ajudando, assim, a identificar os clandestinos”.

A prefeitura disponibiliza 1.790 vagas para atuação no serviço de mototáxi em Goiânia. Atualmente, 781 mototáxis estão cadastrados, mas destes apenas 379 estão com a documentação em dia.

A autorização e a regularização para o serviço são de responsabilidade da SMT, mas a fiscalização é de responsabilidade da Secretaria Municipal de Planejamento e Habitação (Seplanh). A administração, porém, estuda devolver a fiscalização para a SMT.

Deixe um comentário