Vereadores mantém veto ao pagamento retroativo da data-base

Com placar apertado, Câmara nega pagamento de direito dos servidores

Foto: Mayara Carvalho

Em votação na manhã desta terça-feira (13/11), os vereadores de Goiânia mantiveram o veto ao projeto da data-base. A apreciação terminou com 16 votos pela derrubada e 12 a favor da decisão do prefeito Íris Rezende (MDB). Para derrubar o veto, precisava-se de, pelo menos, 18 votos.

O prefeito de Goiânia havia enviado veto ao projeto que concedia revisão geral dos vencimentos dos servidores, a data-base, referente aos anos de 2017 e 2018. Iris vetou o projeto no dia 30/10 e enviou um novo, em que excluía o pagamento retroativo. A Prefeitura alegou que faltam recursos para efetuar o pagamento e disse que o projeto cria uma nova despesa, “comprometendo o equilíbrio orçamentário do Município”.

Na última quarta-feira (7/11), a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa aprovou derrubada do veto, entendendo que os problemas orçamentários não poderiam recair sobre os servidores. A questão seria analisada pelos vereadores em plenário na quinta-feira (8/11), mas teve votação adiada para esta terça.

Em plenário, no entanto, o veto foi mantido. Embora a maioria tenha votado por sua derrubada, a diferença em relação aos favoráveis à decisão da Prefeitura não foi suficiente para barrar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.