Vereadores cobram da Amma resposta por poluição em nascentes e córregos de Goiânia

Para parlamentares há omissão, falta de planejamento e de políticas que fiscalizem o lixo jogado nas nascentes existentes no município

Um dos leitos que deságuam no córrego Cascavel em Goiânia é vítima de poluição constante | Foto: Nathan Sampaio

Apesar de ter o ribeirão João Leite como principal abastecimento de água, Goiânia possui outros 84 leitos de água importantes para o meio ambiente local. Mesmo assim, a maioria é vítima de poluição. Por este motivo, vereadores denunciaram na sessão desta terça-feira (14/8) na Câmara Municipal a “omissão, falta de planejamento e de políticas que fiscalizem o lixo jogado nas nascentes existentes no município”.

Com base nas críticas e denúncias uma das parlamentares, a vereadora Cristina Lopes (PSDB), apresentou um requerimento de convite ao presidente da Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma), Gilberto Marques Neto, a comparecer na Câmara  para debater a situação do meio ambiente da capital.

“Queremos o que a Amma tem feito em prol da conservação da nossa reserva ambiental. Por exemplo, o que a Agência está fazendo em relação às nascentes, o descarte de lixo nas ruas e córregos e como a Prefeitura pretende recuperar essas nascentes, pois a maioria encontra-se degradada, especialmente pelo lançamento de detritos irregular de esgoto”, enfatizou a vereadora.

Paulo Magalhães (PSD) também falou sobre o assunto, ao cobrar da Amma “mais empenho na luta pela preservação das nossas nascentes, córregos e rios. O Meia Ponte, por exemplo, está secando. É preciso combater a poluição desses mananciais, evitando que se jogue lixo, produtos químicos e mesmo invasores de áreas de preservação ambiental”.

Já o vereador Jair Diamantino (PSDC) denunciou e pediu esclarecimentos sobre os descartes de entulhos feitos em uma área de preservação ambiental na região da Vila Roriz, no setor Urias Magalhães II.

O parlamentar cobra esclarecimentos sobre o fato de que alguns caminhões, inclusive com a logomarca da própria Amma estarem depositando entulhos nas proximidades do local onde as águas do Ribeirão Anicuns e do Rio Meia Ponte se encontram.

Além disso, Diamantino alegou que a área em questão faz parte do Programa Urbano Ambiental Macambira/ Anicuns-Puama, que vem sendo implementado, por etapas, pela Prefeitura de Goiânia, com o apoio do Banco Mundial, “o que por si só demonstra na importância socioambiental do lugar e a necessidade de preservá-lo”, argumenta.

A reportagem tentou entrar em contato com a Amma para saber do órgão se existe algum programa de recuperação dos leitos ou de prevenção da poluição em andamento, porém ninguém atendeu às ligações até a publicação dessa matéria.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.