Vereadores cobram atitude, mas Iris diz que ainda toma pé da situação na prefeitura

Visita do prefeito à Câmara virou cobrança por parte dos parlamentares e prestação de contas ficou para terça (21/2)

Iris Rezende responde a perguntas dos vereadores e prestação de contas fica para a próxima terça-feira (21/2) Foto: Divulgação / Prefeitura de Goiânia

A visita do prefeito Iris Rezende (PMDB) à Câmara Municipal de Goiânia na manhã desta segunda-feira (20/2) para cumprimento da prestação de contas obrigatória referente ao último quadrimestre de 2016 foi tida pelos vereadores da Casa como oportunidade de cobrar demandas pendentes com o chefe do Executivo.

Até mesmo em seu discurso inicial, de mais de uma hora, Iris se ateve a lembrar realizações de sua vida política e falou, mais uma vez, sobre dívidas deixadas pela gestão Paulo Garcia (PT), sem mostrar dados técnicos.

Ele novamente alegou que a prefeitura tem, atualmente um déficit mensal de R$ 30 milhões, uma dívida consolidada de cerca de R$ 700 milhões e um novo dado, de uma dívida imediata de R$ 570 milhões.

Para Elias Vaz (PSB), a situação deve ser analisada mais a fundo pelos vereadores, mas, na opinião do vereador, mesmo as alegações de calamidade na situação financeira não justificariam a falta de ação da prefeitura em situações pontuais.

“Na verdade, as alegações não foram mostradas de forma técnica e clara. Nós vereadores recebemos um documento que será analisado e a partir daí, vamos verificar se as afirmações são verdadeiras. O ex-prefeito Paulo Garcia fala uma coisa, o atual prefeito fala outra. Isso tem que ser apurado”, ponderou.

“O que sabemos de concreto é que a atual administração já tem quase dois meses e ainda não conseguiu superar problemas graves e essenciais como a limpeza urbana e saúde. A prefeitura já recebeu o ITU em janeiro, recebe o IPTU agora. Está na hora de começar a mostrar resultados, independente de problemas deixados pela gestão passada”, afirmou.

Quando enfim foi dada a palavra ao secretário de Finanças, Oseias Pacheco, para explicar dados técnicos das contas referentes ao 3º quadrimestre de 2016, o tempo regimental já havia se esgotado e o presidente da Comissão Mista, vereador Lucas Kitão (PSL), convocou reunião para a próxima terça-feira (21/2), às 8 horas, com a presença do secretário, para prestação de contas.

Demandas

Apesar do motivo para a convocação do prefeito à Câmara, grande parte da sessão foi dedicada a questionamentos dos vereadores ao prefeito. Parlamentares da base e da oposição aproveitaram o tempo de fala para apresentar demandas que a prefeitura tem falhado em suprir.

Entre vários assuntos, Iris foi questionado sobre a demissão por meio de decreto de todos os estagiários da prefeitura, a demora no chamamento dos concursados da Educação, Cais e CMEIs fechados, lixo e ruas esburacadas, além da falta de insulina para os diabéticos e hemodiálise para os pacientes renais crônicos.

Sobre as intervenções, o prefeito comentou que foram “altamente importantes e sugestivas”, voltou a dizer que encontrou “todas as áreas da prefeitura” em situação “lastimável”, prometeu que em breve solucionará todos os problemas e pediu o apoio dos vereadores para tanto.

Sobre a escolha de seu líder na Casa, Iris Rezende disse que não tem pressa para tomar a decisão. “Apenas três vereadores foram eleitos pelo meu partido Andrey Azeredo, presidente da Casa, Clécio Alves, líder da bancada e Wellington Peixoto]. Estou esperando conhecer de perto todos os vereadores e vereadoras para que possa escolher o líder do prefeito que tenha relacionamento e contato com todos eles. Essa demora é uma cautela que a vida me ensinou”, disse Iris.

Deixe um comentário