Líder do prefeito acredita que projeto possa ser retomado ainda este ano. Já Kitão defende que próximo prefeito ou prefeita possa aperfeiçoar proposta e ampliar diálogo com a Casa

Fotos: Fernando Leite e Fábio Costa | Jornal Opção

Para o vereador e líder do prefeito na Câmara, Wellington Peixoto (DEM), a retirada do Plano Diretor pela Prefeitura foi a decisão mais acertada. Segundo o parlamentar, os técnicos do Paço pediram para rever as emendas e depois discutir o reenvio da proposta.

“Não foi surpresa, o prefeito [Iris Rezende] me avisou e falou também com o presidente Romário Policarpo. Estávamos cientes e foi uma decisão acertada, uma vez que algumas emendas geraram dúvidas”, diz Peixoto.

Para o líder, ainda é possível votar a proposta esse ano, após as eleições. “O plano foi muito bem elaborado e a Câmara está propondo apenas melhorias. A questão da expansão pode ser corrigida, existem pontos na capital que precisam ser expandidos, enquanto em outros o adensamento precisa ser desacelerado”, defende.

Ainda de acordo com Peixoto, a Casa nunca quis atropelar votação e muitas emendas poderiam ser retiradas. “Eu tinha o compromisso com a prefeitura de retirar as emendas conflitantes, toda a base estava ciente de que isso poderia acontecer. Ao ver a dúvida, solicitei o pedido de vistas, que é natural, para discutirmos melhor”, explica Peixoto, ao pontuar que a ação de alguns vereadores durante a discussão foi precipitada.

Para o vereador Lucas Kitão (PSL) a retirada do projeto também foi a escolha certa. “Eu inclusive já tinha solicitado [a retirada]. Ficou muito próximo da eleição para a gente discutir isso e vi que o debate estava sendo politizado”, avalia. “Que o próximo prefeito ou prefeita possa aperfeiçoar o projeto e ter diálogo com a Câmara, que também faltou”, encerra o parlamentar