Vereadores afirmam que adiamento da prestação de contas da Prefeitura ocorreu devido a problemas contábeis

Segundo Elias Vaz (PSB), consta que o gasto com a folha ultrapassa R$ 2 bi porque foram levados em consideração custos que não deveriam ser contabilizados

Na última semana, a Prefeitura de Goiânia cancelou a prestação de contas que seria realizada nesta terça-feira (28/10). Hoje, os vereadores explicaram que o adiamento — por tempo indeterminado — ocorreu devido a problemas estritamente contábeis com a folha de pagamento.

O vereador Elias Vaz (PSB) informou que foi chamado na última quarta-feira (22/10) para uma reunião no Paço municipal com o secretário de Fianças, Jeovalter Correia, e outros vereadores da base do prefeito. Elias Vaz diz não lembrar-se muito bem dos números, mas explica: “A folha de pagamento foi de R$ 1,7 bilhão, mas contabilmente superou R$ 2 bilhões. Este é um problema contábil. As contas do ano passado estão erradas. Jogaram valores do 1º quadrimestre para o 4º, e aí a conta não fechou”, disse.

Isso porque na Lei de Responsabilidade Fiscal usa-se sempre como referência os últimos 12 meses – ou seja, para prestar contas agora, a prefeitura deve olhar a partir de outubro do ano passado. Carlos Soares (PT) também reiterou o valor dito por Elias Vaz e afirmou que em reunião com a base foi explicado que o valor está lançado como se fosse de folha de pagamento, mas na verdade é de auxílio transporte e outras três despesas que o vereador disse não se lembrar. “Não sei direito, só me lembro do auxílio transporte, cujas despesas foram lançadas como sendo da folha, mas não é”, garantiu.

Elias Vaz disse à imprensa que pediu que Jeovalter fizesse uma coletiva para explicar tudo para a sociedade, mas até agora o secretário de Finanças não disse nada. O Jornal Opção Online tentou entrar em contato com Jeovalter, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.