Após aprovação da data-base, vereadora diz que Iris dá calote em servidor e segue cartilha de Maquiavel

“É lamentável que a Casa seja parceira nesse calote ao servidor público. Data-base é direito do servidor, não é favor”, afirma Tatiana Lemos

Foto: Lívia Barbosa | Jornal Opção

“A prefeitura de Goiânia está dando qualquer tipo de reajuste, mas data-base não é”, provocou a vereadora Tatiana Lemos (PCdoB) nesta terça-feira, 11, após aprovação de projeto de Lei do Executivo que concede revisão geral de remuneração aos servidores municipais. Segundo a parlamentar, se as contas forem analisadas é possível concluir que o servidor não irá receber 4,67%, conforme anunciado pelo Paço. “O secretário fez uma verdadeira mágica com os números pois, na verdade, o servidor irá receber 3,5% de reajuste”, argumentou.

Na tribuna da Câmara Municipal de Goiânia, Tatiana defendeu que o correto seria utilizar o índice nacional, de 4,94%. “Agora a prefeitura vem com esse índice regional e pagamento parcelado. Desta forma, irão pagar só seis meses, já que o índice não é retroativo”, explicou. “Se fizermos a média, o valor final do reajuste é de 3,5%.Eesse valor não cobre sequer a inflação mínima”, explicou.

“É lamentável que a Casa seja parceira nesse calote ao servidor público. Data-base é direito do servidor, não é favor. Os servidores que levam a administração de Goiânia nas costas: uma cidade que está abandonada”. A vereadora citou, ainda, a situação do Parque Mutirama, que está fechado há dois anos. 

Tatiana também citou que muito se fala sobre a administração de Iris seguir o rito de realizar cortes severos nos dois primeiros anos para, depois, vir com benesses a contra gotas. A parlamentar concluiu sua fala dizendo que o prefeito Iris Rezende segue a  cartilha de Maquiavel, na obra ‘O Príncipe’ .

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.