Vereador renuncia à vaga na CEI do Transporte Coletivo: “Não acredito na Comissão”

Após questionar a eleição de Anselmo Pereira (PSDB) para a relatoria, Alysson Lima resolveu deixar colegiado que, para ele, não apresentará resultados concretos

“Posso estar errado, mas tenho dúvidas em relação a essa CEI”, afirmou Alysson | Foto: Fernando Leite/ Jornal Opção

Depois da polêmica envolvendo a eleição do vereador Anselmo Pereira (PSDB) para a relatoria da Comissão Especial de Inquérito (CEI) do Transporte Coletivo, o vereador Alysson Lima (PRB) decidiu renunciar à sua vaga no colegiado. Segundo ele, se houve irregularidade já no início dos trabalhos, com uma eleição que, para o vereador, não foi legítima, a CEI fica sob suspeita.

“A eleição do Clécio [Alves (PMDB), para presidente] foi legal, mas a do Anselmo não, então há vício. Eu não quero ficar em uma comissão em que eu não acredito”, pontuou ele. Alysson disse ainda que pretende seguir com seu trabalho como repórter investigativo e atuando em outras comissões, como a do BRT, para “não gerar mal estar e desconforto”.

Questionado sobre o futuro da CEI, o parlamentar afirmou que não acredita que ela apresentará resultados relevantes para a população. “Posso estar errado e não tenho problema nenhum em voltar atrás, mas tenho dúvidas em relação a essa CEI, acho que não vai dar em nada”, lamentou.

Entenda o caso

Na última quinta-feira (23/3), o vereador Sargento Novandir (PTN) denunciou uma suposta negociação entre Clécio e Anselmo para que o tucano ficasse com a relatoria da CEI. Ele e mais três vereadores, incluindo Alysson, assinaram um documento questionando a eleição. Posteriormente, Emilson Pereira (PTN) e Paulo Daher (DEM) desistiram da reivindicação e, com isso, Clécio e Anselmo seguiram nas funções.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.