Vereador pede afastamento de Gomide da Câmara após denúncia da JBS

Domingos de Paula (PV) afirmou que parte dos eleitores da cidade o procuraram para pedir que petista fique fora da Casa até que sejam apuradas denúncias contra ele

Para o vereador, “não é bom para a imagem da Câmara ter um membro envolvido em casos do tipo” | Foto: Reprodução Facebook

O vereador Domingos Paula de Sousa (PV), de Anápolis, pediu, na tribuna da Câmara, que o vereador Antonio Gomide (PT) seja afastado do cargo até que sejam apuradas as denúncias de que ele teria recebido R$ 2 milhões em propina da JBS. Na sua opinião, não é bom para a imagem da Câmara ter um membro envolvido em casos do tipo.

“Nossa posição é que ele pudesse ser afastado da Câmara até que seja apurado”, afirmou ele. Segundo o parlamentar, o pedido de afastamento surgiu da demanda de parte da população anapolina. “Na verdade, eu fiz essa sugestão porque parcela dos eleitores que a gente representa me procurou com essa demanda”, explicou ele.

Gomide já se manifestou sobre a sugestão, negando que tenha intenção de se afastar do mandato. O petista disse, durante sessão na Câmara, que “quem não deve não teme”. “Não temos dificuldade dentro do regimento da Câmara, se for apresentada denúncia com prova, de fazer a defesa. E o presidente tem a prerrogativa de tomar essa decisão. Eu ando nessa cidade com a cabeça erguida, não tenho medo do debate e tenho documentos que mostram que essa ação é para me incriminar. Agora quem tem prova [acusando], que mostre”, rebateu.

Em entrevista ao Jornal Opção, o vereador e ex-prefeito de Anápolis garantiu nunca ter pedido dinheiro para a JBS e disse que, se houve algo ilícito quanto às doações ao diretório nacional, foi entre o partido e a empresa.

Segundo ele, não foi feito nenhum pedido por parte de Domingos de Paula, que apenas se pronunciou na Câmara. Gomide disse ainda que nenhum outro vereador endossou o discurso de Domingos.

Explicações

Gomide apresenta documento do TSE durante sessão na Câmara | Foto: reprodução/ Câmara Anápolis

Antonio Gomide usou a tribuna para rebater as denúncias do diretor de Relações Institucionais e Governo na holding J&S, Ricardo Saud. O vereador afirmou que não tem nada a esconder e que as doações feitas pela JBS à campanha do PT em Goiás chegaram via diretório nacional, e constam na prestação de contas feita ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). “Portanto, não foi caixa 2 e muito menos para o Gomide [a doação]”, completou.

Gomide apresentou documento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que mostra o repasse do Diretório Nacional do PT para o partido em Goiás, com a JBS como doadora originária, no valor de R$ 950 mil cada, nos dias 5 de setembro e 3 de outubro de 2014. “Essa é a prova cabal de que não foi feito caixa 2. Foram feitas sim duas transferências eletrônicas, com recibo eleitoral”, frisou.

Segundo o vereador, a campanha do PT goiano naquele ano teve despesa de R$ 4,5 milhões, incluindo as candidaturas a governador, senador, deputados federais e estaduais. Para Gomide, na política não há coincidências e antes do pleito de 2014, quem disputava com ele a candidatura ao governo pela aliança PT-PMDB, do lado dos peemedebistas, era Júnior do Friboi, irmão de Joesley e Wesley Batista, os delatores de agora. (Com informações da Câmara Municipal de Anápolis)

Uma resposta para “Vereador pede afastamento de Gomide da Câmara após denúncia da JBS”

  1. Avatar Denis disse:

    Igualzinho o Lula! Não viu não, não sabe de nada kkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.