Vereador critica morosidade da prefeitura para concretizar projetos de mobilidade urbana

Em entrevista ao Jornal Opção, Lucas Kitão (PSL) diz que prefeitura não cumpre sua parte em relação ao sistema de transporte coletivo

Vereador Lucas Kitão (PSL) | Foto; Fernando Leite/Jornal Opção
Vereador Lucas Kitão (PSL) | Foto; Fernando Leite/Jornal Opção

Ainda na gestão do ex-prefeito Paulo Garcida (PT), foi discutido e assinado um convênio que daria origem a corredores preferenciais para ônibus nas avenidas T-7, T-9, 85, Independência, T-63 e 24 de outubro. As duas primeiras nunca saíram do papel e os vereadores tem cobrado, incansavelmente, a concretização do projeto no Paço Municipal.

É o caso do vereador Lucas Kitão (PSL) que conversou com o Jornal Opção sobre o assunto e assegurou que, depois de muito estudar, chegou a conclusão existe culpa em ambas as partes envolvidas. “O foco do debate acaba recaindo só nas empresas. Elas também são culpadas, mas depois de ter cobrado tantas melhorias, até porque elas fazem parte do contrato firmado anteriormente, comecei a perceber que falta muito por parte do governo”, destacou.

Ele diz que depois de analisar tudo de maneira minuciosa percebeu que “a prefeitura não cumpre a parte dela no sistema de transporte coletivo”. “Quanto aos corredores, por exemplo, segundo as empresas, elas não aumentam o número de veículos em determinadas linhas justamente por conta do trânsito. Ou seja, se os corredores exclusivos existissem de fato, já dava pra desafogar as linhas e aumentar o número de ônibus nesses corredores. Assim o serviço seria mais confortável e pontual”, justificou.

Durante a entrevista, o parlamentar destacou outro ponto importante: o mobiliário urbano. “Quanto a construção e manutenção dos abrigos, ou seja, os pontos de ônibus, já existe uma licitação pronta para uma empresa particular tomar conta desses pontos e fazer mídia neles. Isso já acontece em outras capitais. Porém a prefeitura fica enterrada com esse processo e não libera para a empresa. Eles até podem tomar conta dos pontos se quiserem, mas o que não pode é deixar como está”.

Por fim, Kitão assegurou que “nessa briga em que a prefeitura culpa as empresas e as empresas culpam a prefeitura, o único prejudicado é o cidadão”.

Questionado sobre o projeto de instalação dos parquímetros em Goiânia, Kitão disparou: “Se for construído um fundo de manutenção do transporte para a região metropolitana, a prefeitura de Goiânia não teria que tirar nem um centavo do bolso. O parquímetro já foi aprovado na Câmara. É um projeto 100% sustentável e moderno. (…) Só depende da prefeitura querer, mas esse é mais um ponto que não sai do papel”, finalizou.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Marcos

Quem votou nesta criatura para prefeito, merece passar raiva e decepção, bem feito , vai aprender a votar.