Vecci reconhece que pode abrir mão de candidatura se houver consenso na base

Pré-candidato do PSDB a prefeito de Goiânia, o deputado federal afirmou que é preciso ter desprendimento de projetos pessoais e pensar em um plano amplo para a capital

O governador Marconi Perillo (PSDB) e o vice-governador José Eliton (PSDB) defenderam Giuseppe Vecci (PSDB) como candidato da base | Foto: Goiano Sidney

O governador Marconi Perillo (PSDB) e o vice-governador José Eliton (PSDB) defenderam Giuseppe Vecci (PSDB) como candidato da base | Foto: Goiano Sidney

No 140º evento de sua pré-campanha a prefeito de Goiânia na noite de terça-feira (5/7) no Parque de Exposições Agropecuárias da capital, o deputado federal Giuseppe Vecci (PSDB) confirmou em entrevista que tem “desprendimento necessário” para abrir mão de um projeto pessoal se a busca for pela união da base aliada por um plano que seja apoiado pelos outros partidos da base aliada do governador Marconi Perillo (PSDB).

“Eu que propus isso. Eu tive a capacidade de ter desprendimento de discutir e colocar que para a gente poder criar união não pode chegar todo mundo, bater o pé e falar que não abre mão. Essa proposta foi minha”, respondeu ao Jornal Opção Vecci sobre uma possível desistência da pré-candidatura em nome da união da base aliada.

E reforço a proposta em seu discurso: “Eu tive o desprendimento para em um primeiro momento chamar a todos para conversar sem que houvesse uma candidatura fixa, determinada. Mas parece que as pessoas não entenderam. Cada um está olhando para o seu interesse”.

Para o deputado federal, é importante que o PSDB tenha capacidade de “aglutinar os demais partidos que momentaneamente estão em uma situação melhor” em uma candidatura única. “Todo mundo está conversando com todo mundo, isso não é novidade nenhuma. O que eu quis dizer é que é importante pensar em um projeto maior para Goiânia. Todos nós temos que ter responsabilidade maior do que a nossa candidatura.”

Vecci reforçou que tem trabalhado para conseguir o maior número possível de alianças partidárias em torno do nome dele. “Isso demonstra o nosso esforço e vontade de cada vez mais mostrar o nosso projeto de aproximar da população e de apresentar as nossas ideias, além de captar as que a população deseja”, destacou.

Mas reconheceu que ainda é um nome desconhecido na pré-campanha. “Eu ainda sou desconhecido de quase 70% da população. Eu ainda tenho que trabalhar muito. Mas aqueles que me conhecem cada vez mais se empolgam, multiplicam, para que a gente possa avançar e conquistar espaços nessa luta para a Prefeitura de Goiânia.”

A proposta de união da base, com o “desprendimento” para abrir mão da pré-candidatura, se esse consenso existir em torno de outro nome apresentado pela base aliada, segue um desejo de Vecci de combater a “demagogia” eleitoral e um perfil “populista”, para ele representados pelos dois líderes de intenção de votos nas primeiras pesquisas, sem citar os nomes do ex-prefeito Iris Rezende (PMDB), que anunciou o fim da carreira política, e do deputado federal delegado Waldir Soraes (PR).

“Se vocês desejam o candidato que é populista, não sou eu. Escolham outro. Se vocês desejam querem o candidato demagogo, que tem o condão da vara mágica de iludir as pessoas para ganhar voto, também não sou eu. Eu quero sim ser o mensageiro da verdade de dias melhores para Goiânia, mas com honestidade, com capacidade. Não o que nós estamos vendo por aí.”

E afirmou que seu partido, por estar no governo estadual, tem mais força do que outros que apresentam pré-candidatos dentro da base aliada na disputa pelo Executivo em Goiânia.

“O PSDB está no governo, o PSDB tem força para ganhar as eleições em Goiânia. E com certeza quem está tentando dividir (a base) tem muito menos força do que nós. E nós estamos tentado chamá-los e novamente conclamar os partidos que têm afinidade conosco para unir. Não é unir no Vecci não, é unir em um projeto que seja importante para Goiânia. É ter desprendimento e enxergar a nossa responsabilidade.”

Defesa da unidade

Em entrevista rápida, o vice-governador José Eliton (PSDB) também defendeu a unidade da base aliada na disputa pela Prefeitura de Goiânia em outubro. “Desde o ano passado eu venho reiterando nas oportunidades que tenho a necessidade de um diálogo, de um consenso, dos partidos da base em torno de um projeto único.”

Para José Eliton, o tom é o mesmo adotado por Vecci, de necessidade de “desprendimento” para aceitar uma decisão única tomada em conjunto pelos partidos que dão sustentação ao governo de Marconi. “Naturalmente isso impõe desprendimento, impõe grandeza de espírito, impõe compreensão da realidade política, impõe a necessidade de buscar um projeto viável para atender as demandas da sociedade. De modo que eu continuo a defender essa tese.”

Já no discurso, o vice-governador enalteceu o “próximo prefeito dessa cidade” e o “candidato da base aliada do governador Marconi Perillo”. José Eliton, assim como Marconi, falou em lealdade aos companheiros.

“E é por isso, Giuseppe, que eu tenho a certeza de que você haverá de estar encaminhando Goiânia. E nós, junto com você, na sua decisão, na sua caminhada. Vamos juntos sem medo, porque o medo afronta e amedronta os fracos. A coragem faz a vitória chegar.”

E continuou: “E para isso, eu venho aqui com muita tranquilidade, com a lealdade própria daqueles que defendem um projeto por convicção, não por oportunismo. Daqueles que sabem estar nos momentos bons e nos momentos difíceis. Daqueles que têm compromisso com um ideal. Eu venho aqui para dizer, sem meias palavras, que nós temos um candidato, que esse candidato representa as melhores ideias para a capital. E esse candidato tem nome: é Giuseppe Vecci, o candidato da base do governador Marconi Perillo”.

PSDB em Goiânia

De acordo com o presidente metropolitano do PSDB, Rafael Lousa, o trabalho de união da base, com respeito ao direito de todos os partidos apresentarem pré-candidatos, é feito pelos tucanos há mais de um ano em Goiânia. “Nós sempre reiteramos que há um respeito muito grande pelas candidaturas de todos os partidos, mas é uma questão de estratégia simplesmente. Essa união se não ocorrer no primeiro turno, com certeza ocorrerá no segundo turno.”

Para Lousa, que também adotou a palavra “desprendimento” para descrever a decisão de Vecci de negociar com a base uma candidatura única forte dos aliados de Marconi na capital, o momento é de conversar. “O que nós estamos é na verdade tendo um desprendimento para uma conversa, uma negociação, para que haja um diálogo e que os partidos estejam desarmados para esse diálogo”, explicou.

O evento contou com cerca de mil pessoas, de acordo com a assessoria de imprensa do deputado Giuseppe Vecci. Entre as autoridades presentes estavam os deputados estaduais Helio de Sousa (PSDB), Francisco Oliveira (PSDB), José Vitti (PSDB), Eliane Pinheiro (PMN), Santana Gomes (PSL), os vereadores Anselmo Pereira (PSDB), Geovani Antônio (PSDB), Dra. Cristina Lopes (PSDB), Thiago Albernaz (PSDB), os presidentes estadual e metropolitano do PSDB, Afrêni Gonçalves e Rafael Lousa, os secretários estaduais Tayrone Di Martino (Governo), Leonardo Vilela (Saúde), Joaquim Mesquita (Segplan), prefeitos, lideranças e pré-candidatos a vereador do PHS, PV, PTN e PTB.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.