Vecci: “Governo Temer é de coalizão e a relação de Goiás com a União vai melhorar”

Deputado federal elogiou medidas tomadas pelo presidente interino e destacou maior capacidade de diálogo do peemedebista

Foto: Renan Accioly/Jornal Opção

Vecci elogiou capacidade de reconhecer erros: “Tem diálogo, não está voltado para interesses corporativistas” | Foto: Renan Accioly/Jornal Opção

Deputados federais e senadores goianos estiveram, junto com o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB) e a secretária da Fazenda, Ana Carla Abrão, em reunião com o presidente em exercício Michel Temer (PMDB) na tarde desta terça-feira (24/5). O objetivo do encontro foi sensibilizar o peemedebista sobre as demandas do Estado de Goiás.

Para o deputado federal Giuseppe Vecci (PSDB), presente no encontro, a relação entre o Estado e o governo Federal já dá sinais de melhora mesmo com poucos dias de governo Temer. “O próprio Marconi o agradeceu porque já conseguiu estar com ele duas vezes desde que assumiu, o que não acontecia nos últimos 13 anos”, conta. “Ele reclamou que não tinha muitas condições nem de falar com os ministros”.

“O governo Temer é um governo de coalizão. Não tenho dúvidas que a relação vai melhorar, até porque o próprio PSDB tem três ministros e tantos outros políticos que fazem parte da base aliada”, lembrou Vecci.

Outro aspecto da gestão Temer que foi elogiada por Vecci é a capacidade de reconhecer erros. Embora os recuos do presidente interino tenham sido criticados por muitos, o deputado vê com bons olhos a disposição em voltar atrás: “Ele nos colocou isso ontem: ‘Quando eu erro, tenho a capacidade de ser humilde'”. “Achei muito positivo, significa que ele não está voltado a interesses corporativistas. Tem diálogo”, enalteceu.

Otimismo

Vecci se mostrou animado com os primeiros passos de Michel Temer e elogiou medidas: “Tem que avançar mais, claro, fazer uma abertura econômica, reduzir o Estado, retomar o crescimento, mas não dá pra cobrar isso de um governo que assumiu faz 15 dias”.

Ressaltando a votação da redução da meta fiscal, concluída na madrugada desta quarta-feira (25), Vecci destacou que o resultado favorável no plenário mostrou uma força política maior que a de Dilma Rousseff. “A votação espelhou uma base mais forte com o governo Temer e mostrou que a base da Dilma ficou muito reduzida”.

Jucá

O deputado também comentou a situação do ex-ministro do Planejamento, Romero Jucá (PMDB-RR), que teve que se afastar do cargo depois de ter sido gravado em conversa sugerindo que impeachment foi maneira de barrar as investigações da Lava Jato. “Não quero defendê-lo, mas ele pelo menos não está fugindo”, argumentou.

“Ele esteve ontem na votação da meta fiscal e teve coragem de se defender lá na frente. Disse que o PT não fez o mesmo que ele, não teve a postura de se afastar ministros envolvidos em polêmica até que fosse tudo esclarecido”, afirmou. “Falou que acertou sua saída, que vai esperar a investigação. Ele não quer camuflar nada”.

Deixe um comentário