Vanderlan Cardoso defende propostas em sabatina da OAB-GO

Candidato à Prefeitura de Goiânia respondeu às perguntas dos advogados sobre temas como saúde, transporte, infraestrutura urbana e alianças políticas

| Foto: Bruna Aidar/ Jornal Opção

Vanderlan não poupou críticas à gestão atual da Prefeitura e propôs administração com participação de vários setores da sociedade | Foto: Bruna Aidar/ Jornal Opção

O candidato à Prefeitura de Goiânia Vanderlan Cardoso (PSB) participou, nesta quinta-feira (22/9), de sabatina na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) – Seção Goiás, em que respondeu aos questionamentos dos advogados sobre suas propostas caso vença a disputa.

Ele começou sua fala respondendo à questionamento sobre infraestrutura urbana, especificamente sobre galerias fluviais. Segundo ele, o problema é que elas foram pensadas há muitos anos, em uma realidade diferente da atual, com menos edificações. Para ele, é preciso redimensionar essas galerias para a Goiânia de hoje, o que já resolveria pelo menos 80% dos pontos de alagamento. “E isso a própria prefeitura, com uma equipe boa, consegue fazer, sem precisar fazer empreita”, defendeu.

Ele acrescentou também que essa reforma precisa ser pensada junto da reforma asfáltica, porque é pela falta de estrutura que vêm os problemas de buracos. “Muito do asfalto a prefeitura vem só recapeando, mesmo com as bases comprometidas. Temos que resolver isso para aí sim vir com asfalto novo, do contrário é só jogar dinheiro fora”, criticou.

Questionado também sobre o investimento de governos em propaganda, Vanderlan defendeu o direcionamento de verbas para esta área, desde que utilizada em pautas relevantes. Ele citou como exemplo a educação de trânsito e sobre questões de saúde, como a dengue. “Agora, para falar vem do governo pode ter certeza que não vamos gastar. Um governo bem avaliado não precisa ficar desperdiçando dinheiro”, pontuou. “Se eu estiver fazendo o dever de casa, não preciso ficar coagindo imprensa.”

Um outro aspecto que foi colocado pelos advogados foi a concessão de alvarás de construção na capital, alvo de muita polêmica. Vanderlan defendeu como solução a desburocratização. “Já apresentamos programa nessa área e pegamos como base a cidade de Campinas, que é referência nacional. Agora, alvarás de construção e reforma de até 500 m2 vão ser feitos online, e os grandes projetos, o corpo técnico da prefeitura analisa, inclusive com prazo para devolver”. Para ele, investidores que querem construir na cidade precisam ter a certeza de que não existe uma “máfia” de alvarás.

No assunto idosos, Vanderlan defendeu uma gestão que não se preocupe apenas com a questão da saúde, mas também da valorização dessa parcela da população: “Tem gente que acha que idoso só precisa de remédio, mas precisa de carinho também”, brincou, lembrando iniciativas como os cursos profissionalizantes para este público que criou em Senador Canedo.

Outra iniciativa que, para o candidato, pode facilitar a vida não só de idosos, mas também de diabéticos, hipertensos e pessoas com dificuldade de locomoção, é o serviço de entrega domiciliar de medicamentos, que reduz deslocamentos complicados e caros para quem precisa ir buscar remédios.

Sobre a questão da saúde, Vanderlan focou no Programa Saúde da Família (PSF), que, segundo ele, vai ter cobertura de 100% até o fim do seu mandato. “Não adianta a prefeitura ficar tratando só a doença, enquanto não investir no PSF, pode fazer UPA (Unidades de pronto-atendimento) e Cais que não vai resolver”.

Ele também foi questionado sobre o trânsito da capital, que ele pretende melhorar com a divisão da cidade em regiões administrativas e com investimentos em obras de mobilidade, como o BRT e a Ferrovia Leste-Oeste. “Dividimos Goiânia em oito regiões, com todo o atendimento da Prefeitura ali, com o servidor público colocado perto de onde ele trabalha. Os polos industriais e de desenvolvimento, teremos em cada região. Com isso, já melhora o problema do transporte coletivo e o trânsito”, explicou.

Por fim, ele também comentou a sua aliança com o governador Marconi Perillo (PSDB), que, aponta, é estratégica. “Acho que estão confundindo muito o apoio que estou recebendo do governador com a questão administrativa. Eu tenho meu modo de administrar, mas não se pode continuar com essa forma arcaica de governar, com quem ganha as eleições continuando em campanha, eu preciso do Estado”, resumiu.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.