“Vamos demorar muito para circular pelas ruas”, prevê biólogo em entrevista no Roda Viva

Especialista em virologia, Átila Iamarino falou ainda sobre perspectivas de tratamento e possibilidades de diferentes modelos de isolamento 

Foto: reprodução/ TV Cultura

O Roda Viva desta segunda-feira, 30, pode ser classificado como histórico. O programa da TV Cultura ganhou até tempo extra para entrevistar o biólogo e especialista em virologia Átila Iamarino. Com a roda de jornalistas reduzida, o cientista traçou um panorama completo sobre a epidemia do novo coronavírus, falando desde a origem do vírus, passando por modelos de isolamento e perceptivas de tempo e tratamento.

Desde o inicio do programa, o cientista reiterou por diversas vezes o olhar técnico sobre a crise, com uso de pesquisas mundiais sobre o tema. Átila, que ganhou notoriedade na internet por perspectivas lidas até como apocalípticas, afirma que o Brasil agiu cedo no combate ao vírus, mas que só teremos certeza do impacto dessas ações nas próximas semanas.

“Como o vírus tem o tempo de incubação de 15 dias, sempre que olhamos para hoje estamos olhando para o passado. As medidas de isolamento foram implementadas em todo o Brasil há uma semana, então só poderemos ver o real impacto de infectados ou não no começo de abril e mais pra frente”, destaca Átila, pós-doutor em virologia.

“Não foi falta de alerta da Ciência que nos trouxe até aqui, com o coronavírus, a China sabia o risco que corria com o consumo de carne de animais silvestres, e só agora proibiu”, disse em outro trecho marcante.

Isolamento

Para o biólogo, a única forma de controle eficaz da doença, neste momento, é o isolamento. Átila cita que em países como a Coreia do Sul, testes em larga escala está sendo suficiente para que as autoridades possam ter dimensão dos infectados e manter as atividades dentro da normalidade. Entretanto, com falta de testes, Brasil está distante desse cenário.

Sobre a possibilidade de adotar o chamado “isolamento vertical”, modelo em que só os grupos de riscos permanecem em quarentena, Átila tece críticas, diz que não deve ter aplicação no Brasil, levando em consideração características socioeconômicas, mas pondera: “Isolamento vertical não deve ser considerado em debate porque não tem base científica, quando tiver, precisa ser testado e aí sim podemos falar a respeito”.

Tratamentos

Quando perguntado sobre possibilidade de tratamentos, como a divulgada nacionalmente, com uso da Cloroquina, ou testes de vacinas já realizados em outros países, Átila afirma: “Eu sou bastante cético por causa do momento que estamos. Eu aplico isso para qualquer remédio ou vacina”.

“É o momento em que a humanidade quer uma saída, todo mundo quer ver as coisas funcionando, todos querem salvar vidas. E então temos que ter uma certa calma com as soluções que estão vindo agora nessa corrida de achar alguma coisa que vai tirar a humanidade do problema porque não queremos estar nesse novo mundo que está sendo imposto agora” defendeu.

Deixando claro não haver pesquisas conclusivas sobre imunidade, Átila diz que até o momento há indícios de que os pacientes curados não pegam a doença novamente, mas diz que, por ser uma doença recente, não é possível chegar à essa conclusão.

Tempo e perspectivas

Os jornalistas do programa, em mais de uma pergunta, questionaram o biólogo sobre quanto tempo a crise de saúde ainda deve seguir. Para o cientista, levando em consideração as dificuldades sobre o tratamento e imunização por ele mesmo pontuadas deve estender as restrições por pelo menos alguns meses.

“Daqui até o final do ano, temos que evitar aglomerações e haverá muito poucas pessoas viajando. Nenhum país vai querer ter um novo foco do vírus”, destacou Átila, que leva em consideração projeções internacionais de pesquisadores sobre a doença.

Na tentativa de um olhar positivo sobre a crise, Átila diz que não voltaremos para o mesmo mundo de normalidade de antes, devendo a pandemia deixar mudanças substanciais na humanidade. Diz ainda que essa crise vem recobrando a importância da ciência e da imprensa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.