Vale já havia calculado gastos com tragédia antes de rompimento em Brumadinho

Em documento de outubro de 2018, empresa havia projetado mortes, custos e até causas de um possível colapso

Foto: Carolina Ricardi

As investigações sobre a tragédia de Brumadinho ganham novos detalhes a cada dia. Um documento que está sendo usado pelo Ministério Público de Minas Gerais, mostra que a mineradora Vale, dona da barragem 1 da Mina do Córrego do Feijão, já tinha calculado os gastos que teria em caso do rompimento da estrutura.

O documento interno de outubro de 2018 previa que o valor da tragédia chegaria a 1,5 bilhão de dólares, cerca de R$ 5,6 bilhões. O documento também projetava as possíveis causas do rompimento, que seria a erosão e a liquefação da barragem.

O relatório avaliou que a empresa teria o mesmo prejuízo com questões econômicas se houvesse ou não um alerta antes do acidente. Entretanto, assim como aconteceu na tragédia do dia 25 de janeiro, as consequências para a segurança e a saúde das pessoas envolvidas e o potencial de perda de vidas eram bem maiores caso as sirenes não fossem acionadas.

A Vale informou que os estudos de risco e demais documentos elaborados por técnicos consideram, necessariamente, cenários hipotéticos para danos e perdas. Ainda segundo a empresa, não existe em nenhum relatório qualquer menção a risco de colapso iminente da barragem.  

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.