Universidade afasta professor de psicologia acusado de assédio sexual

Jadir Machado Lessa ficará 180 dias afastados das funções de docente, até que sejam concluídas as investigações pela polícia

O professor de Psicologia Jadir Machado Lessa foi afastado nessa sexta-feira, 8, da Universidade Federal do Maranhão (UF-MA) acusado de cometer abuso sexual contra três estudantes. Elas relataram, inclusive, que houve violência física.  

Uma delas conta que teve aula com Lessa para um projeto de monitoria relacionada à disciplina de psicologia fenomenológica existencial, isto é, voltada para ajudar pessoas a buscarem sentido para a vida., no sentido de compreensão da existência humana. Segundo a estudante, no primeiro mês, o professor parecia ser muito cuidado e preocupado com o aprendizado, estimulando a compreender melhor a si mesma e a superar tabus para crescer profissionalmente.

No entanto, com o passar do tempo, os interesses dele foram mudando. Lessa não fez mais a monitoria e passou a apenas a conversar com a aluna. “Até que ele começou a falar de minha vida sexual, dos meus relacionamentos íntimos. Durante uma dessas conversas, ele disse que queria ver o quanto eu já tinha me libertado de amarras e julgamentos, e me desafiou a mostrar meus seios”, relatou a estudante, que preferiu não se identificar. Segundo ela, o professor teria citado o Existencialismo e mulheres empoderadas, donas de si, que mostram os seios por vontade própria, por fim, como ela não atendeu ao pedido, tinha sido reprovada do teste.

Já em outra ocasião, a estudante lembra Jadir disse para ela ajoelhar de frente dele e, ao fazer isso, ele teria pedido que a moça fizesse o que quisesse com ele, assumindo assim os desejos que ela tinha. “Eu não entendi o que ele estava querendo dizer com aquilo, então apenas dei tapinhas na barriga dele. Quando terminei, seu membro estava ereto e sua calça suja”, acrescentou.

Outra denunciante, aluna do professor em 2019, na graduação, narrou que já tinha ouvido falar, por outras estudantes, sobre os assédios dele. De acordo com ela, o acusado primeiro busca descobrir um ponto fraco como forma de se aproximar da vítima. “Ele sempre jogava perguntas em sala de aula e ia pegando as respostas. Eu falava que tinha medo da solidão e era uma pauta que ele sempre trazia para falar comigo com o intuito de me ‘ajudar’. Hoje eu consigo perceber que isso é uma estratégia dele”, reflete.

A terceira vítima do docente, estudante por mais de um ano, rememora um momento em que Jadir passou a mão na perna dela, alegando que se tratava de técnicas ‘ayurveda’ (terapia bioenergética voltada para o autoconhecimento e na cultura indiana, é vista como uma forma medicinal de ‘renovar a energia vital’). “Houve episódio em que ele tentou me beijar e insistia em acariciar minha perna, alegando que eram técnicas da psicologia”, disse.

Ao se defender, Lessa se disse surpreendido pelas denúncias e pelo afastamento da função de professor na Universidade. “Nunca extrapolei os limites da cordialidade das relações interpessoais e, principalmente, nunca me vali de minha função para obter qualquer proveito, sobretudo, de cunho sexual”, rebateu.

A UF-MA, por meio de nota, informou que estar tomando as providências legais quanto ao caso. “A Uersidade Federal do Maranhão, em respeito à opinião pública, comunica que, ao tomar conhecimento das denúncias de assédio contra o professor Jadir Machado Lessa, cumpriu a determinação judicial que ordenou o seu afastamento por 180 dias, assim como tomou todas as providências legais que o caso requer”, cita trecho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.