Para o gestor, administrações terão que se reinventar para superar queda de receitas por conta da pandemia

Paulinho Sérgio de Rezende, prefeito de Hidrolândia e presidente da AGM

O presidente da AGM, Paulo Sérgio de Rezende, externou sua preocupação com a situação financeira dos municípios com a queda de receitas. Segundo previsões da CNM a perda de receita dos municípios goianos pode chegar a 1,7 bilhão até o final desse ano.

“Os prefeitos ainda estão empenhados no combate à pandemia do novo coronavírus, cuidando da saúde da população, e nem mesmo o problema foi superado já têm mais essa preocupação – a redução dos recursos”, ponderou Paulinho.

Segundo o presidente da AGM, é difícil prever o quanto os municípios vão perder uma vez que também não há previsão de quanto tempo vai durar a pandemia da Covid-19 e qual será o poder de reação da economia brasileira. “A única certeza é a de que a situação vai piorar”, analisou. 

Paulinho afirma que tem discutido o problema com vários prefeitos e o clima de preocupação é geral. “Além do socorro financeiro da União, que ao que tudo indica será insuficiente, as administrações terão que se reinventar para superar esse problema. Mais do que nunca a união de todos será importante e a AGM, como sempre, estará ao lado dos prefeitos nessa luta”, salientou.