UEG descarta possibilidade de fraude em concurso para delegado da Polícia Civil

Malotes com cadernos de prova estavam rasgados e levantou suspeita de candidatos 

As provas para o concurso de delegado da Polícia Civil de Goiás realizado no último domingo (12/8) levantou a suspeita de que novas fraudes poderiam ter comprometido o certame. Candidatos denunciaram que os envelopes que continham cadernos de prova chegaram nas salas destinadas à realização do concurso com o lacre rompido.

A situação aconteceu em diferentes pontos de realização de provas e os fatos chegaram a ser registrados em ata.

O Jornal Opção entrou em contato com o Núcleo de Seleção da Universidade Estadual de Goiás (UEG), banca responsável pelo concurso. A assessoria da universidade informou que todas as provas são impressas na gráfica no próprio Núcleo que é equipado com câmeras de segurança onde somente pessoas autorizadas têm acesso. Além disso, segundo a UEG, a polícia acompanhou o processo de impressão e envelopamento das provas.

Depois disso as provas  teriam sido colocadas em malotes que possuem numeração que facilita rastreamento e fiscalização. Ainda de acordo com a UEG, os malotes teriam sido colocados em carros institucionais e transportados com a escolta de autoridades policiais.  As provas só foram retiradas nos locais de prova por cada um dos respectivos coordenadores, ainda com a presença da polícia.

A UEG garante que não há possibilidade alguma de ter tido fraude nesse processo. De acordo com a universidade, o que aconteceu foram “pequenos rasgões”, que tinham entre dois e sete centímetros, nos malotes que condicionavam as provas mas que não comprometeram a lisura do certame.

Segundo a universidade, os rasgões aconteceram durante o transporte dos malotes que são feitos de tecido grosso e que o atrito teria danificado o material.

13 respostas para “UEG descarta possibilidade de fraude em concurso para delegado da Polícia Civil”

  1. Bruno disse:

    Kkkkkkkkkkkkkk pequenos rasgões

  2. Diego disse:

    Quanta contradição, no momento de eliminar um candidato havia o maior rigor, já a recíproca está longe de ser verdadeira!

  3. vinicius disse:

    Se ocorreu violação ao envelope, deve no mínimo, instaurar procedimento preliminar para investigação dos fatos.

  4. Mauricio disse:

    Os lacres da prova na minha sala eram suspeitos. Em verdade, não foram rompidos pois estavam mal e porcamente fechados. Ou seja, não havia lacre para ser violado. Por outro lado, chamaram os fiscais pq eu possuia moedas em meus bolsos.
    O concurso deverá ser cancelado novamente!

    • flavio disse:

      Infelizmente o Brasil passo por um momento de total desconfiança nas instituições . Fico extremamente triste em saber que há indícios de provas com lacres rompidos sejam eles de 2cm ou 7 cm.
      TODO CONCURSO PÚBLICO NO BRASIL, deveria ser monitorado 100% as suas fases.

    • Bruna disse:

      O sr tem que representar. Tem um app do estado dogoias para denunciar. Se o povo nao se unir, tudo continuará na mesma sa!

  5. André Luiz disse:

    Completa Vergonha! É isso mesmo que a sociedade Goiânia merece? O Ministério Público do Estado de Goiás não irá se mover?? 2013 UEG – Fraude! 2016 CESPE – Fraude! Agora, lacres violados! Pensem bem, infelizmente o que pode ser até “muito pouco” para qualquer outro lugar, tendo o histórico que Goiás tem nas provas de Delegado de Polícia, começa o questionamento se o problema esta na banca ou em algo muito maior! O Estado e o povo é maravilhoso e não merecem isso!

  6. Jackeline disse:

    É claro que a UEG vai falar que não há risco de fraude uai, princípio do nemo tenetur se detegere… Tá suspeito sim e pros pacotes terem rasgado eles deveriam ser muito mas muito frágeis. E eram rasgos super grotescos, quem viu sabe. Denunciem ao Ministério Público, no site tem um linl que redireciona pra ouvidoria, denunciem lá, o histórico somado aos acontecimentos de domingo deixa tudo muito esquisito.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.