Segundo empresa, o decreto de Iris que regulamenta aplicativos de transporte “traz muita exposição, não é prático e resulta em altos custos para os motoristas”

Iris Rezende (PMDB) assina decreto para regulamentação do Uber em 2017 | Foto: Marcelo Gouveia /Jornal Opção

Depois de meses emperrado, o decreto que regulamenta os transportes de passageiros por aplicativos como Uber, 99 Pop, Easy e 99 Taxi, que agora é responsabilidade do município, recebeu um posicionamento contrário da Uber referente a um dos pontos do documento: a identificação dos carros.

[relacionadas artigos=”130736″]

No decreto vigora que os veículos estejam identificados com um adesivo afixado nas duas portas dianteiras sob responsabilidade do próprio motorista, caso contrário, sem a placa, há pena de R$ 500 pela infração, que é considerada gravíssima.

De acordo com a startup, porém, “o modelo de identificação visual imposto pela Prefeitura de Goiânia resulta em mais gastos e maior exposição aos motoristas parceiros de aplicativos, sem que isso traga benefícios nem para eles, nem para os usuários”.

Além disso, a Uber reforçou que situação resulta em alto custo para os motoristas, o modelo não é prático, pois precisa ser aplicado dos dois lados do veículo, exigindo ao condutor sair do carro cada vez que quiser retirar a identificação quando não estiver dirigindo para aplicativos.

Dessa forma, segundo a empresa, “a obrigação imposta não condiz com a flexibilidade de tecnologias que permitem aos motoristas se conectar ou desconectar do aplicativo com um simples toque no celular. E por ser uma identificação externa, o adesivo pode ser facilmente removido por terceiros e resultar em sanções aos motoristas”.

Ainda de acordo com a startup, um modelo parecido tem sido adotado em Campinas, São Paulo, e não tem dado certo. Confira:

“Em Campinas, cidade que adotou modelo de identificação semelhante, os motoristas têm procurado o centro de atendimento da Uber para revelar preocupação com a segurança, pois dizem terem ficado mais expostos nas ruas com um identificador tão chamativo em seus carros.

Lá, o modelo também não trouxe benefícios aos usuários, pois, como mostrado em reportagens locais, o adesivo não garante que o veículo esteja cadastrado na Uber. Em cada solicitação de viagem pelo aplicativo, a Uber já informa ao usuário dados que são muito mais precisos para aumentar sua segurança, como placa, modelo e cor do veículo, além de nome e foto do motorista.”