TSE contabiliza 264 casos de violência contra candidatos desde o início de 2020

Desde janeiro, 45 candidatos e pré-candidatos foram assassinados, 12 dos quais entre outubro e novembro

Um levantamento parcial do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contabilizou 264 crimes de violência contra candidatos e pré-candidatos nas eleições municipais 2020 desde janeiro. Do total, chegam a 100 os homicídios consumados ou tentados.Os números foram apresentados nesta terça-feira, 24, pelo presidente do TSE, Luís Roberto Barroso.

Foi registrado um aumento de cinco vezes em relação ao mesmo período de 2016, ano das eleições municipais anteriores, quando foram relatados 46 crimes de violência contra candidatos.

Os números de 2016 consideram o segundo turno das eleições. Já neste ano a contagem ainda está aberta devido ao adiamento da votação, que será realizada apenas em 29 de novembro, em razão da pandemia do novo coronavírus.

No pronunciamento, Barroso destacou como ponto de atenção o aumento dos crimes contra candidatos nas eleições deste ano. “A violência é incompatível com a democracia. É preciso jogar limpo e civilizadamente e os órgãos de segurança pública estão vigilantes em relação ao crime organizado”, disse.

Dados

O levantamento inclui ocorrências registradas antes da confirmação das candidaturas, em setembro deste ano. Nesses casos, foram contabilizados crimes contra pessoas que se declaravam dispostas a concorrer a eleição.

De acordo com as informações do TSE, dos 100 homicídios tentados ou consumados contra candidatos desde janeiro, 67 ocorreram somente em outubro e dezembro, quando todas as candidaturas já estavam confirmadas pelos partidos.

Desde janeiro, 45 candidatos e pré-candidatos foram assassinados, 12 dos quais entre outubro e novembro. A maior parte dos casos ocorreu no Sudeste.

Em relação às ameaças, foram 146 registros desde janeiro até o momento, 109 dos quais entre outubro e novembro. Também desde o início do ano, o TSE contabilizou 18 crimes de lesão corporal conta candidatos e pré-candidatos.

(Com informações da Agência Brasil)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.