Tribunal egípcio condena 720 islamitas à pena de morte

Sentença máxima é desta segunda-feira e refere-se a dois casos de violência ocorridos no país durante protestos em favor do presidente Mohamed Mursi, deposto em 2013

Mohammed Badie, Líder da Irmandade Muçulmana, também está entre os condenados à morte. Ele foi acusado de 'incitar à morte' |  Foto Reprodução do Ministério do Interior/Reuters

Mohammed Badie, líder da Irmandade Muçulmana, também está entre os condenados à morte. Ele foi acusado de ‘incitar à morte’ ao ser favorável ao presidente deposto Mohamed Mursi| Foto: Reprodução do Ministério do Interior/Reuters

Setecentos e vinte islamitas seguidores da Irmandade Muçulmana receberam sentença de morte nesta segunda-feira (28/4) pelo Tribunal Penal de Minia, sul do Egito. O número elevado de condenados à sentença máxima é sem precedentes no país. Os réus teriam apoiado o presidente Mohamed Mursi, primeiro presidente egípcio eleito democraticamente e que foi deposto em julho de 2012 –– mesma época em que a irmandade passou a ser duramente reprimida no Egito.

A corte considerou essas 720 pessoas culpadas de incitação ao crime e também de cometerem atos de violência. O líder máximo da irmandade, Mohammed Badie, de 70 anos, está entre os condenados à morte. O grupo foi declarado terrorista e ilegal pelo atual governo do Egito, que é militar.

As condenações referem-se a dois casos de violência supostamente praticados pelo grupo. No primeiro caso o tribunal condenou 683 réus (em sua maior parte julgados à revelia) acusados de ataque a instituições públicas e à delegacia do distrito de Al Edua em 2013. Essa sentença não é definitiva e já foi remetida à autoridade religiosa máxima do Egito, Shauqui Alam, uma espécie de recurso de apelação.

No segundo caso de violência julgado, o presidente do tribunal, juiz Said Youssef, reverteu para prisão perpétua a condenação à morte de 491 islamitas da irmandade de um total de 529 já condenados, restando a pena de morte a 37 réus.

De acordo com a imprensa local, familiares dos condenados receberam a notícia de condenação à morte com prantos e gritos, sendo que mulheres desmaiaram em frente ao tribunal. As famílias insistem que os condenados são inocentes.

A decisão de condenar mais de 700 pessoas à morte está recebendo críticas de países ocidentais e de organizações ligadas aos direitos humanos. A ONG Human Rights Watch (Assistindo Direitos Humanos, na tradução livre) acusa os tribunal de ter realizado os dois julgamentos em poucas horas, sendo que os advogados não puderam argumentar contra a decisão.

*Com informações de agências de notícias internacionais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.