TRE-MT cassa Selma Arruda e suplente por omissão de despesas na campanha

Senadora do PSL conhecida como ‘Moro de saias’ é acusada por crime de abuso de poder e caixa 2. Magistrados optaram por novas eleições

TRE-MT cassa Selma Arruda e suplente por omissão de despesas na campanha
Foto: Reprodução

A senadora Selma Arruda (PSL-MT), teve seu mandato cassado por unanimidade, na quarta-feira, 10, pelo Tribunal Regional Eleitoral do Mato Grosso. Além dela, seu suplente, Gilberto Possamai, também teve seus direitos suspensos. Eles são acusados de incorrer em crime de abuso de poder econômico e caixa dois, ao omitirem da Justiça Eleitoral despesas de R$ 1,2 milhão na campanha de 2018.

Segundo o relator do caso, o desembargador Pedro Sakamoto, o gasto omitido por Selma Arruda corresponde a 72% das despesas feitas pela parlamentar durante a campanha, fato que fere o princípio da isonomia, já que ela obteve larga vantagem sobre os demais candidatos.

Em nota, Selma afirmou que vai recorrer da decisão: “A tranquilidade que tenho é com a consciência dos meus atos, a retidão que tive em toda a minha vida e que não seria diferente na minha campanha e trajetória política. Respeito a Justiça e, exatamente por esse motivo, vou recorrer às instâncias superiores, para provar a minha boa fé e garantir que os 678.542 votos que recebi da população mato-grossense sejam respeitados”.

Segundo os advogados que acompanham o caso, o voto do relator exerceu um grande peso, e foi seguido pelos demais juízes. Entretanto os magistrados do TRE não concordaram que a vaga fosse ocupada interinamente pelo terceiro colocado nas eleições do ano passado, Carlos Fávaro. Dessa forma, optaram pela realização de uma nova eleição.

Além da perda do mandato, Selma e o suplente foram considerados inelegíveis e não podem concorrer nas próximas eleições.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.