Trabalhadores em greve ocupam prédio da Secretaria de Educação em Goiânia

Categoria denuncia descaso e falta de diálogo por parte da prefeitura

Trabalhadores da Educação de Goiânia em greve ocuparam na tarde desta quarta-feira (26/4) o prédio da Secretaria Municipal de Educação (SME), no Setor Leste Universitário, na capital.

Segundo informações do Sindicato Municipal dos Trabalhadores da Educação (Simsed), a categoria resolveu ocupar as dependências da pasta por conta do “descaso” da prefeitura quanto às reivindicações e a falta de diálogo do prefeito Iris Rezende (PMDB) e do secretário Marcelo da Costa com os profissionais.

“Os trabalhadores da educação de Goiânia merecem respeito. Estamos em greve desde o dia 11 e o prefeito se comporta como se nada estivesse acontecendo. E o secretário ainda fica recebendo sindicatos que não representam a nossa luta e mentindo para a população que está negociando com a categoria, o que não aconteceu até agora”, explicou coordenador geral do Simsed, Antônio Gonçalves.

Ao todo, a categoria lista 32 reivindicações, que já foram entregues ao Paço. Entre as principais demandas apresentadas, os servidores destacam a convocação dos concursados, melhora na estrutura e segurança nas unidades de ensino, pagamento do piso salarial aos professores, melhora na qualidade da merenda escolar e revisão da data base.

Resposta

Em nota, a Prefeitura de Goiânia alegou lamentar “a forma violenta e desrespeitosa com que os integrantes do Sindicato Municipal dos Servidores em Educação de Goiânia (Simsed), sindicato não oficial da educação, invadiram o prédio da SME”. Confira a íntegra do comunicado:

A Prefeitura de Goiânia, por meio da Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME), lamenta a forma violenta e desrespeitosa com que os integrantes do Sindicato Municipal dos Servidores em Educação de Goiânia (Simsed), sindicato não oficial da educação, invadiram o prédio da SME. Medidas judiciais para reintegração de posse já foram tomadas para restabelecer o direito dos servidores trabalharem. A SME informa que mesmo diante da determinação judicial, que suspendeu a paralisação dos profissionais da Educação, aderida por apenas 8% da Rede Municipal, tem mantido negociações com representantes da categoria legalmente constituída e está aberta ao diálogo desde o início da atual gestão.

Vale ressaltar ainda que, apesar do contexto geral de restrição orçamentária e financeira, compromissos para a valorização dos profissionais da Educação e melhorias nas unidades educacionais têm sido garantidos pela Prefeitura de Goiânia, entre eles: chamamento de 45% dos aprovados no concurso público; pagamento do piso salarial nacional dos professores, conforme estabelece a Lei nº 11.738/208; repasse direto para instituições no valor de R$ 5 milhões para manutenções; além de definir que a data-base dos administrativos será concedida retroativamente a janeiro desde ano. Desde janeiro, a SME propôs a formação de comissões para discussões permanentes sobre carreira e benefícios aos servidores dentro do que é estabelecido pela legislação.

SME

Deixe um comentário

wpDiscuz