Trabalhadores da Educação protestam em frente ao Paço Municipal, em Goiânia

Manifestantes pedem a readmissão dos mais de 3 mil contratos suspensos via decreto, a reformulação do processo de educação à distância e a unificação do ano letivo 2020 e 2021

O Sindicato Municipal dos Servidores da Educação de Goiânia (Simsed) realiza um protesto, neste momento, em frente ao Paço Municipal, em Goiânia. A reivindicação dos trabalhadores é pelo fim da suspensão de 3 mil contratos e dobras, além da unificação do ano letivo 2020 e 2021.

Os manifestantes querem entregar ao prefeito um documento com duas principais reivindicações. Primeiro, cobrando a readmissão dos servidores afastados. Segundo, exigindo a participação dos profissionais da educação na elaboração de atividades complementares que permita o vínculo com os estudantes.

A respeito do primeiro ponto, suspensão dos contratos e dobras, a organização diz entender que é desumana, haja vista que ocorre em um momento de pandemia onde várias empresas estão fechadas e o desemprego está em alta.

“Esses profissionais se encontraram em uma situação desesperadora, pois não têm onde encontrar outras fontes de renda para a sua sobrevivência”, diz. Em outro trecho, eles consideram que a prefeitura, ao suspender os contratos, “ignorou que muitos desses educadores são pais e mães que sustentam através desse salário suas famílias. A única ajuda que encontraram foram dos seus próprios colegas de trabalho, que com solidariedade classista, se organizaram para doar cestas básicas buscando amenizar a situação desesperadora de pessoas sem salário”.

Quanto ao segundo ponto, os manifestantes dizem entender que a atual plataforma de ensino elaborada pela prefeitura transforma os educadores em tutores, desconsiderando o papel do professores no processo de ensino e aprendizado. “Ela foi feita de forma autoritária, ignorando a participação destes profissionais. Por isso cobramos que os trabalhadores da educação tenham autonomia na construção de um processo de vínculo com os estudantes, durante esse momento em que as Escolas e Cmeis precisam permanecer fechados”, reforça o documento.

Eles exigem também que o processo de educação à distância seja reformulado, chamando os profissionais da educação a participarem, a terem voz e que possam construir junto aos seus alunos e as famílias diferentes formas de vínculos.

“São os professores que conhecem seus alunos, que conseguem estabelecer as melhores formas de desenvolver habilidades, brincadeiras, entre outras formas de interação para amenizar os impactos que a pandemia está causando na vida dessas crianças. Isso ressalta a importância da retomada de todos os contratos, pois seria impossível restabelecer esse vínculo se muitos professores estão afastados de suas funções, com contratos e dobras suspensos”, argumentam.

Os organizadores do encontro reforçam que todos os critérios de segurança sanitária foram considerados e os manifestantes foram orientados a manterem o distanciamento social, usar máscaras de proteção e álcool em gel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.