“Todos os governos estão em crise. Goiânia parece a única exceção”, diz líder após convocação de Iris

De acordo com ofício lido na manhã desta terça-feira, 10, em plenário, prefeito deve prestar contas do segundo quadrimestre do ano no próximo dia 30

Iris Rezende Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Foi lido, na manhã desta terça-feira, 10, um ofício apresentado pelo vereador Lucas Kitão (PSL) na Câmara Municipal de Goiânia. O documento prevê convocação do prefeito de Goiânia, Iris Rezende (MDB), para prestação de contas da prefeitura referente aos gastos do segundo quadrimestre do ano. A audiência está prevista para o dia 30 de setembro.

“Grande injustiça”

Em entrevista ao Jornal Opção, o vereador Oseias Varão (PSB), líder do prefeito na Casa, declarou que a Câmara o receberá de maneira muito positiva. Na visão de Varão, a prefeitura está colhendo os frutos de um grande esforço. “Tenho visto algumas críticas muito injustas feitas ao prefeito. Por exemplo, alguns estão dizendo que ele deixou para fazer as obras no fim do mandato tendo em vista a eleição”, lamentou o parlamentar que considerou uma “grande injustiça”.

Em seguida, Varão justificou os feitos de Iris: “Se você tivesse assumido a prefeitura de Goiânia com um deficit de R$ 32 milhões e um divida de quase 1 bilhão. Você ia fazer obras? Não me parece razoável isso”, argumentou antes de disparar: “O prefeito fez o que é correto. Gastou os dois primeiros anos organizando as contas da prefeitura para adquirir capacidade de investimento como de fato acontece. Não deve ter outra capital no País com a mesma condição de fazer obras. Todos os governos estão em crise. Goiânia me parece a única exceção”.

Obras e empréstimos

Já o presidente da Comissão Mista e autor do requerimento, vereador Lucas Kitão, destacou que, durante a passagem do prefeito pelo Parlamento, pretende focar na questão técnica dos dados, nos balancetes financeiros e realidade econômica de Goiânia. “Devemos focar também na questão das obras e empréstimos”, acrescentou.

“O prefeito tem adquirido, por meio de empréstimos com a Caixa Econômica Federal. Não queremos que esses empréstimos sejam responsáveis pela paralisação de obras no futuro, como aconteceu com o BRT, por exemplo”, destacou o parlamentar.

Por fim, Kitão considerou que são “diversas intervenções na cidade em pontos de grande circulação”. “Se essas obras forem paralisadas o impacto será muito grande. Faremos o possível para acompanhar de perto esses empréstimos e também a execução das obras”.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.