Tio revela como matou e deu fim aos restos mortais de Joana Cipriano

Jornal Correio da Manhã, de Portugal, publicou fotos da reconstituição do suposto homicídio que, mesmo 12 anos depois, ainda levanta dúvidas

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em setembro de 2004, a menina Joana Cipriano, de 8 anos, desapareceu na região de Portimão, sul de Portugal. Doze anos depois, seu corpo nunca foi encontrado e o mistério do “caso Joana” continua. A Justiça portuguesa deu o caso por encerrado, condenando a mãe e o tio da garota, Leonor e João Cipriano a 16 anos e oito meses de prisão por homicídio e ocultação de cadáver.

Na época, o julgamento foi marcado pela confissão de João, que aceitou reconstituir o crime, imagens só agora reveladas pelo jornal português Correio da Manhã. O tio da criança contou como esquartejou a menina e como esconderam o corpo numa arca frigorífica. Ainda em depoimento, ele afirmou que os restos mortais da garota foram dados aos porcos.

Mesmo diante disso, a tese de que a menina de oito anos foi vendida continua a fazer sentido na cabeça de alguns dos jurados – que votaram a condenação – e também na dos vizinhos, como Zulmira Ofélia, a última pessoa a ver Joana com vida. “Não sei se a mataram [a mãe e o tio]. Nunca tive a certeza, admito que a tenham vendido. Não sei”, diz uma das juradas, ao CM, 12 anos após o crime.

“Nunca me convenci que tivessem matado a miúda. Passou muito pouco tempo desde que a vi, até que falei com a mãe. Era impossível eles terem escondido o corpo e estarem tão descontraídos”, disse a vizinha à reportagem.

Leonor e João Cipriano já cumpriram dois terços da pena de prisão a que foram condenados e podem ser brevemente libertados.

Na época do julgamento, a acusação alegou que Joana foi morta porque viu a mãe e João Cipriano tendo sexo incestuoso. O tio confessou ter espancado e assassinado a criança, que depois foi esquartejada. Quando lhe foi perguntado se ele havia abusado sexualmente de sua sobrinha, ele disse: “Eu não lhe fiz mal, só a matei

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.