Segundo especialista, a ciência ainda não sabe se a possibilidade de reinfecção existe. “O que sabemos é que há uma variação considerável no período em que ela permanece incubada no corpo humano”

coronavírus
Foto: Reprodução

Apesar de diversos pacientes que já contraíram a Covid-19 voltarem a testar positivo depois de algum tempo, a médica infectologista Luciana Duarte explica que isso pode não ser sinônimo de uma reinfecção.

“Ainda não temos uma confirmação a respeito da possibilidade de reinfecção da doença. O que sabemos até o momento é que algumas pessoas que já testaram positivo podem, depois de um longo período, apresentarem sinais da Covid-19 em seus exames novamente”, explica.

Duarte explica, por exemplo, que a ciência já observou pacientes que continuaram testando positivo mesmo depois de 90 dias da contaminação. “Ainda não sabemos se a possibilidade de reinfecção existe, o que sabemos é que há uma variação considerável no período em que ela permanece incubada no corpo humano”, argumenta.

Segundo a especialista, apesar de alguns continuarem apresentando evidências da doença, ao que tudo indica, a Covid-19 não sustenta seu potencial de replicação e transmissão. Porém, ela salienta que qualquer afirmação, neste momento, ainda é muito precoce.

“A ciência precisa de um prazo para observação e estudo. Ainda é cedo para afirmarmos a respeito do comportamento da doença. Acredito que até o fim do ano já trememos informações mais concretas sobre o assunto”, estimou.

De qualquer forma, a orientação, seja para quem testou ou não positivo para a doença, permanece a mesma: “Devemos continuar nos atentando para o uso da máscara de proteção facial, higienização correta das mãos e distanciamento social. Isso vale para todos, sem exceção. Esse é o caminho mais seguro até que tenhamos informações concretas a respeito do comportamento do vírus no corpo”, pontua.