Parlamentar se diz surpreendida por ação movida por seu antigo partido para garantir eventual cadeira na Assembleia Legislativa de Goiás

Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

A vereadora Dra. Cristina (PL) deve enfrentar nova batalha judicial, desta vez por conta de uma cadeira na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás (Alego). Isso porque ela é a 2º suplente do PSDB e como Francisco de Oliveira, 1º suplente, vai assumir a cadeira do prefeito eleito Diego Sorgatto, uma nova vaga beneficiaria a parlamentar.

No entanto, por ter mudado de sigla, os tucanos entraram com um processo para reivindicar a vaga da Dra. Cristina. “Os votos são meus, não do partido e a vaga não é do partido e sim da coligação”, dispara Cristina. A atual vereadora lembra que deixou o PSDB dentro da janela partidária, e que à época consultou vários juristas a respeito de sua situação.

“Cumpri todos os ritos da legislação e vejo esse pedido, como uma tentativa desesperada de ocupação de espaço, de maneira muito covarde e sem ao menos falar comigo. Eu que sempre fui uma defensora da história política do partido”, afirma a política, que diz ter convicção de essa é uma causa perdida para a legenda.

“Já ganhamos em primeira instância e vamos ganhar em segunda”, completa Cristina. A ação corria sob sigilo e a parlamentar diz que só tomou conhecimento da iniciativa ao ser citada. “Na primeira instância o juiz pede para arquivar o processo, dizendo que não cabe o pedido”,  relata.

A ação foi motivada diante da previsão de que a deputada Lêda Borges também pudesse ser eleita prefeita de Valparaíso no último pleito. “Ela tinha todos os requisitos para ganhar a eleição, foi uma excelente gestora e fez um trabalho gigante à frente da Secretaria Cidadã. O partido tinha tomado essa atitude antes das eleições, mas o processo segue”, relata.

Procurado pela reportagem, o PSDB emitiu uma nota. Veja na íntegra:

O PSDB Goiás entrou na Justiça como forma de garantir a vaga dos suplentes goianos do partido na Assembleia Legislativa. Caso o deputado Tião Caroço deixe o mandato, em licença, vamos trabalhar para que a deputada Eliane Pinheiro assuma a cadeira que lhe é legítima.

COMUNICAÇÃO PSDB GOIÁS