Tempestade de areia em 9 municípios de MS contribuiu para naufrágio de chalana

Frente fria chegou com violentos vendavais em Campo Grande e outras cidades, trazendo danos, tempestade de areia, falta de luz e naufrágio

O dia “virou noite” com a chegada de um temporal de poeira em diversas cidades de Mato Grosso do Sul nesta sexta-feira, 15, e causou o naufrágio do barco-hotel, popularmente chamado de chalana, que afundou no Rio Paraguai, na cidade Corumbá.

A tempestade de areia, chamada de haboob, atingiu ao menos nove municípios de Mato Grosso do Sul. A nuvem de poeira chegou à capital do Estado por volta das 14h50, horário local, e provocou estragos nas cidades: Dourados, Corumbá, Sidrolandia, Ponta Porã, Douradina, Miranda, Dois Irmãos do Buriti, Aquidauana, além de Campo Grande.

As rajadas chegaram a 94 km/h no aeroporto de Campo Grande que reportou visibilidade de apenas 800 metros, reduzida por poeira, durante o haboob. A temperatura antes da chegada da ventania era de 33ºC e depois, com a chuva e as trovoadas, caiu para 18ºC.

“Por determinação do governador Reinaldo Azambuja, a Defesa Civil Estadual está fazendo monitoramento junto aos municípios para levantar os danos provocados por essa tempestade de areia que atingiu o Estado nesta sexta-feira provocando diversos transtornos”, informou o coordenador da Defesa Civil Estadual, tenente-coronel Fábio Catarinelli.

Bombeiros, Defesa Civil e as forças de segurança estão nas ruas e contabilizam os estragos. Com o vendaval, moradores ficaram assustados, acidentes de trânsito e destelhamentos já foram registrados por toda a cidade.

Dados parciais do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso do Sul indicam registros de queda de 184 árvores só na Capital e falta de energia em pelo menos 5 mil residências.

De acordo com o MetSul Meteorologia, a causa da tempestade foi uma frente fria que avançou do Paraguai para o Mato Grosso do Sul com uma linha de tempestades com vento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.