“Temos que buscar alternativas diante de compromissos que não foram cumpridos pela Enel”, diz Caiado

Governador voltou a criticar a distribuidora de energia e disse que a companhia vem “menosprezando e desrespeitando o goiano”

Governador Ronaldo Caiado | Foto: Fernando Leite/ Jornal Opção

Nesta terça-feira, 19, o governador Ronaldo Caiado (DEM) voltou a falar sobre a situação da Enel Goiás e comentou o projeto de Lei que vai ser apresentado na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) para rescindir o contrato do Estado com a distribuidora de energia. 

“É o início de uma discussão que está sendo instalada na Alego. Temos que buscar alternativas diante de tantos compromissos anteriores que não foram cumpridos por parte da Enel no Estado de Goiás”, disse.

Ele voltou a criticar a companhia e disse que a Enel vem “menosprezando, desrespeitando o goiano desde o período em que assumiu a distribuição de energia elétrica no Estado de Goiás”. Ainda segundo ele, a negociação para venda da Celg D não foi feita de acordo com os critérios da transparência e chegou a comparar com a Petrobras.

“Mais parece que [a negociação] foi no intuito de poder acobertar escândalos, que tinham quase que a proporção da Petrobrás no cenário nacional, com a utilização político partidária e a dilapidação [da Celg]”, comparou.

E acrescentou: “É uma perda generalizada de estrutura, seja do pequeno, do médio empresário, comerciante, do produtor rural, do médico em seu hospital, do laboratório, da dona de casa… Todas as pessoas hoje estão sendo duramente penalizadas pela maneira como a Enel tem tratado a energia elétrica no Estado de Goiás”. Caiado ainda frisou que, mesmo neste ano tendo chovido bem menos que no ano passado, o número de queixas e apagões já é cinco vezes maior que o de 2018. Houve casos em que cidades inteiras e várias regiões do Estado ficaram até sete dias sem energia.

Na segunda-feira, 18, o Estado, por meio da AGR multou a enel em R$ 62 milhões por prestação inadequada de serviços. A distribuidora tem dez dias para recorrer.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.