Técnico de francês diz que vitória brasileira no salto com vara teve a ver com candomblé

Medalha de prata, saltador da França e equipe desaprovaram vaias do público. Para complicar situação, treinador disse que recorde estaria relacionado a forças místicas

Francês Renaud Lavillenie | Foto: Facebook

Francês Renaud Lavillenie | Foto: Facebook

A vitória do brasileiro Thiago Braz sobre o francês Renaud Lavillenie no salto com vara, na noite de segunda-feira (16/8), tem gerado polêmica nas redes sociais e na imprensa por conta da reação do atleta estrangeiro.

Nem um pouco satisfeito com as vaias do público do Brasil, ele desabafou no Instagram, dizendo que estava decepcionado com a total falta de respeito da torcida e chegou a compará-la com o público da Alemanha nazista na Olimpíada de 1936.

“Em 1936, a multidão estava contra Jesse Owens. Não vimos isso desde então. Temos que lidar com isso”, disse o francês, que logo depois se arrependeu e voltou atrás na comparação.

Para complicar ainda mais a situação, o treinador do atleta disse, em entrevista ao Le Monde, que a vitória de Thiago Braz poderia estar relacionada a “forças místicas, talvez as do candomblé”.

“Thiago conseguiu um salto de 6,03m. Ele pode ter contado com a ajuda de forças místicas, talvez as do candomblé”, afirmou Philippe d’Encausse. “(O Brasil) é um país bizarro”, acrescentou ele, “quase que em tom de admiração”, conforme o diário.

O jornal francês ainda endossou o discurso do técnico. Na avaliação da publicação, o saltador “saiu de sua bolha de concentração, excedida pelas vaias do público carioca, que encoraja seus protegidos ao mesmo tempo em que desestabiliza seus adversários”.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sandro Molina

“Se macumba ganhasse jogos, o campeonato de futebol baiano terminava empatado!”, já diz um ditado.
Esse técnico francês só revela o quanto o povo francês é PRECONCEITUOSO, ORGULHOSO e AFASTADO DE DEUS! País INFESTADO de secularismo, laicismo, feminismo e multiculturalismo. O pobre coitado não enxerga que as tais “forças estranhas” são o próprio DEUS! Não tem obra de macumba nenhuma capaz de dar títulos a atletas que não merecem, que não treinam, que não se esforçam pelos seus sonhos e objetivos. O esforço é exclusivamente do homem; a graça é de Deus!
“Liberté, Egalité, Fraternité… SIFUDÊ!!!”.