Medalha de prata, saltador da França e equipe desaprovaram vaias do público. Para complicar situação, treinador disse que recorde estaria relacionado a forças místicas

Francês Renaud Lavillenie | Foto: Facebook
Francês Renaud Lavillenie | Foto: Facebook

A vitória do brasileiro Thiago Braz sobre o francês Renaud Lavillenie no salto com vara, na noite de segunda-feira (16/8), tem gerado polêmica nas redes sociais e na imprensa por conta da reação do atleta estrangeiro.

Nem um pouco satisfeito com as vaias do público do Brasil, ele desabafou no Instagram, dizendo que estava decepcionado com a total falta de respeito da torcida e chegou a compará-la com o público da Alemanha nazista na Olimpíada de 1936.

“Em 1936, a multidão estava contra Jesse Owens. Não vimos isso desde então. Temos que lidar com isso”, disse o francês, que logo depois se arrependeu e voltou atrás na comparação.

Para complicar ainda mais a situação, o treinador do atleta disse, em entrevista ao Le Monde, que a vitória de Thiago Braz poderia estar relacionada a “forças místicas, talvez as do candomblé”.

“Thiago conseguiu um salto de 6,03m. Ele pode ter contado com a ajuda de forças místicas, talvez as do candomblé”, afirmou Philippe d’Encausse. “(O Brasil) é um país bizarro”, acrescentou ele, “quase que em tom de admiração”, conforme o diário.

O jornal francês ainda endossou o discurso do técnico. Na avaliação da publicação, o saltador “saiu de sua bolha de concentração, excedida pelas vaias do público carioca, que encoraja seus protegidos ao mesmo tempo em que desestabiliza seus adversários”.