TCU pede que Lava Jato investigue Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro

Ministro do órgão, Bruno Dantas, apontou em palestra que a obra foi iniciada com orçamento de R$ 15 milhões, mas já ultrapassou os R$ 120 bilhões

| Foto> Divulgação

“Existem diversos indícios de sobrepreço”, disse o ministro | Foto: Divulgação

As obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) devem ser um dos próximos alvos da Operação Lava Jato, segundo o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas. “Pasmem, iniciou a obra com um orçamento de R$ 15 bilhões e, hoje, tragou dos cofres públicos mais de R$ 120 bilhões, e não concluiu a obra”, disse ao fazer palestra promovida pelo Instituto dos Advogados de São Paulo.

Segundo o ministro, a auditoria do TCU detectou muitos problemas. “Existem diversos indícios de sobrepreço. Claro que isso não está definitivamente julgado, mas não causará surpresa a ninguém se nós tivermos aí um novo foco para as investigações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal”, ressaltou.

Bruno Dantas destacou que todas as empresas responsáveis pela construção do complexo foram citadas nas investigações que apuram o cartel formado para fraudar contratos da Petrobras. “Funcionam na construção do Comperj as mesmas empresas”, disse o ministro. De acordo com ele, os problemas foram detectados porque o tribunal tem analisado os contratos envolvendo as companhias suspeitas de irregularidades no esquema da Petrobras.

“Esse caso do Comperj nós temos nos debruçado com muito cuidado. A nossa equipe de auditoria tem esmiuçado todos os contratos, porque é uma demonstração cabal do descalabro que tem, infelizmente, tomado conta de alguns setores da nossa administração”, disse ele.

Deixe um comentário