Taxa de desemprego de junho é a maior do mês desde 2010

Número é de 6,9%, frente a 6,7% registrados no mês de maio. Pesquisa realizada mensalmente não abrangeu Goiás

A taxa de desemprego do mês de junho foi de 6,9%, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou na Pesquisa Mensal de Emprego (PME). Esta é a maior taxa de junho desde 2010 (7,0%), mas estatisticamente estável em relação a maio deste ano, que registrou 6,7%. Já em junho do ano passado, taxa foi de 4,8%.

A pesquisa não abrenge Goiás, tendo sido feita nas principais regiões metropolitanas do Brasil: Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre.

Conforme a taxa, o rendimento médio real do trabalhador foi de R$ 2.149 — aumento de 0,8% em comparação a maio e queda de 2,9% em relação a junho do ano passado.

A massa de rendimento médio real habitual somou R$ 49,5 bilhões — estável em relação a maio. Já comparado a junho de 2014, o montante diminiu 4,3%.

Os números mostraram maior número de demissões, e maior procura por trabalho. A população desocupada foi de 1,7 milhão de pessoas, e ficou estável em relação a maio — mas cresceu 44,9% (522 mil de pessoas) em relação a junho de 2014. Já a população ocupada (22,8 milhões) diminuiu 1,3%, sendo 298 mil pessoas empregadas a menos.

grafico

Regionalmente, a análise mensal mostrou que a taxa de desocupação não se alterou em nenhuma das regiões em relação a maio. Mas em relação a junho de 2014, a taxa cresceu em todas as regiões: em Recife, passou de 6,2% para 8,8%; em Salvador, de 9,0% para 11,4%; em São Paulo, de 5,1% para 7,2%; em Porto Alegre, de 3,7% para 5,8%; no Rio de Janeiro, de 3,2% para 5,2%; e em Belo Horizonte, de 3,9% para 5,6%.

grafico3

Site IBGE

No mês de junho, o rendimento médio subiu em cinco das seis regiões metropolitanas: Recife (2,2%); Belo Horizonte e Porto Alegre (1,1%, ambos); Rio de Janeiro (0,8%) e em São Paulo (0,7%). Em Salvador, houve queda de 0,7%.

No ano, o rendimento caiu em quatro regiões: Rio de Janeiro (-5,0%); Salvador e São Paulo (-3,1%, ambos) e Belo Horizonte (-2,5%), com alta em Recife (0,5%) e estabilidade em Porto Alegre.

Em junho, o rendimento médio real habitual caiu em dois dos sete grupamentos de atividade analisados (construção e outros serviços), cresceu em dois (comércio e serviços prestados às empresas) e ficou estável nos demais. No ano, todos os sete recuaram.

grafico4

Site IBGE

Já entre as categorias de posição na ocupação, na comparação mensal o rendimento médio real recuou para os empregados sem carteira assinada no setor privado e subiu para os militares e funcionários públicos e os trabalhadores autônomo. Número ficou estável entre os empregados com carteira assinada no setor privado. No ano, houve recuos nas quatro categorias. (Com informações da Comunicação Social do IBGE)

grafico5

Site IBGE

Deixe um comentário