Suspeitos de matar major da PM durante assalto são mortos em troca de tiros com a polícia

Homens teriam sido flagrados durante assalto à residência no Setor Faiçalville. Num intervalo de 12 horas, cinco pessoas foram assassinadas na capital 

Dois suspeitos pela morte do major da Polícia Militar aposentado Eurípedes Patrocínio Borges, de 66 anos, foram mortos na noite do último domingo (22/6) em troca de tiros com policiais militares. Segundo informado pela assessoria de imprensa da corporação, os indivíduos foram surpreendidos no momento em que roubavam uma residência na Rua S-14, no Setor Faiçalville, em Goiânia. Um deles foi atingido quando pulava o muro tentando fugir e o outro ao reagir à abordagem, ainda dentro da casa. Sebastião Aderides, de 24 anos, e Eder Pereira da Silva, de 19 anos, morreram no local.

O major Eurípedes foi assassinado no último dia 5 ao reagir a um assalto em sua residência, no Jardim Presidente, também na capital. No momento do crime ele estava acompanhado de mais sete pessoas, sendo três crianças. Os bandidos fugiram após atingirem Eurípedes, que morreu antes do socorro chegar.

Mais três homicídios

Na noite de domingo a Polícia Militar registrou três homicídios na capital no intervalo entre a noite de domingo e esta segunda-feira (23). O primeiro crime ocorreu no Setor Vila Boa por volta das 18h, quando um rapaz de 19 anos foi assassinado com um tiro pelas costas enquanto estava em um bar. Os autores fugiram em um carro branco.

Outro caso, no no Setor Rio Formoso, vitimou Thiago Jobert Machado, de 33 anos, que foi morto com seis tiros quando chegava na casa da avó. Ele foi atingido nas costas, na cabeça e no tórax por alguém que estava em um Chevrolet Onix. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou a ser acionado, mas encontrou o rapaz já sem vida. Segundo a PM, Thiago tinha precedentes criminais por lesão corporal, ameaça e injúria.

No Setor Parque Amendoeiras, na Alameda Eva Vieira de Almeida, Luziani Souza Araújo, de 36 anos, foi encontrada por volta das 19h30 com ferimentos provocados por facadas na cabeça, braços e costas. Populares a avistaram e acionaram a polícia e o socorro, mas ela não resistiu e morreu a caminho do hospital. Não há informações sobre autoria ou motivação.

Esses casos estão sendo investigados pelo delegado Thiago Torres, da Delegacia de Investigações de Homicídios (DIH).

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.