Um homem identificado como Gilberto Gomes de Oliveira, de 27 anos, foi preso suspeito de matar a tiros o advogado criminalista e assessor jurídico da Prefeitura de Alexânia, Charlesman da Costa Silvano, de 37 anos. O crime ocorreu no início da manhã deste sábado, 12, e a prisão por volta de 11h. Conforme a Polícia Militar (PM), Gilberto reagiu com uma arma branca no momento da prisão e foi atingido com um disparo em membro inferior. Ele foi levado para o hospital.

Em primeira mão ao Jornal Opção, o coronel Cardoso, comandante da 17ª Regional da Polícia Militar, informou que, logo depois da localização do suspeito, a PM continuou as diligências e foi até uma casa, também em Alexânia, onde estavam quatro homens suspeitos de integrar uma quadrilha da qual Gilberto fazia parte, voltada para o tráfico de drogas.

O coronel informou que houve troca de tiros com os suspeitos. Três foram atingidos e morreram. Um quarto acabou fugindo.

No entanto, não há evidências que apontam para a participação desses no homicídio de Charlesman.

Morte de advogado

Conforme o coronel Cardoso, Charlesman da Costa Silvano foi morto a tiros em uma estrada vicinal próxima a Alexânia por volta de 7h deste sábado.

Informações preliminares apontam que Gilberto, suspeito do crime, era cliente de Charlesman em um processo na Justiça, o que teria motivado um encontro entre eles.

Ainda não há informações sobre a motivação.

Uma vez que a vítima era um advogado, o caso é acompanhado pela Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Goiás (OAB-GO). Conforme a entidade, o presidente da Comissão de Direito e Prerrogativas (CDP), Alexandre Pimentel, e o presidente da subseção de Alexânia, Valdivino Clarindo Lima, acionaram todas as instâncias competentes solicitando providências.

“A OAB-GO, ciente da seriedade com que a investigação deverá ser conduzida, vai acompanhar o andamento do trabalho das autoridades policiais para garantir que os culpados sejam responsabilizados e punidos sob o rigor da lei.”

Leia também:

Primo do prefeito de Alexânia é assassinado