Escolha deve ser feita por sorteio entre os ministros integrantes da Segunda Turma. Antigo relator, Teori Zavascki morreu em acidente aéreo no mês passado

Uma das primeiras medidas que devem ser tomadas pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármem Lúcia, com a volta do recesso do plenário nesta quarta-feira (1º/2) deve ser a escolha do novo relator dos processos da Operação Lava Jato.

A expectativa é de que a presidente determine o sorteio eletrônico da relatoria entre os integrantes da Segunda Turma, colegiado que era integrado por Teori Zavascki, antigo relator, que morreu em um acidente de avião no mês passado.

Antes do sorteio, deve ser confirmada a transferência do ministro Edson Fachin, da Primeira Turma para a Segunda Turma. Informalmente, colegas defendem que o ministro peça transferência por ter perfil reservado, parecido com o do ministro Teori. Fazem parte do colegiado os ministros Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello.

Na última segunda-feira (30), Cármen Lúcia homologou as delações de 77 executivos e ex-funcionários da empresa Odebrecht, nas quais eles detalham o esquema de corrupção na Petrobras investigado na Operação Lava Jato.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, já começou a trabalhar nos pedidos de investigação contra os políticos e empresários citados nos depoimentos de colaboração com a Justiça. Não há prazo para que eventuais pedidos de investigação ou arquivamento cheguem à Corte.