Sucessão em Aparecida: Euler Morais volta ao PMDB e inaugura obras visando 2016

Secretário de Governo afirma que ano será marcado por calendário institucional e sinaliza que deve ser o candidato a prefeito

Euler, ex-deputado estadual e líder dos programas sociais de quando Maguito era governador | Foto: Reprodução/Secom Aparecida de Goiânia

Euler, ex-deputado estadual e líder dos programas sociais de quando Maguito era governador | Foto: Reprodução/Secom Aparecida de Goiânia

O prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela (PMDB), mostra que já tem pré-candidato à sua sucessão em 2016: Euler Morais, secretário de Governo e Relações Institucionais.

E isso ficou evidente em dois momentos. A recente reunião entre os dois com a equipe de governo e o iminente retorno de Euler ao PMDB, onde milita desde 1982.

No entanto, quer fazê-lo sem alarde, conforme relatou em entrevista ao Jornal Opção Online nesta terça-feira (27/1). “Seria um tremendo desafio sucedê-lo, uma responsabilidade grande. A gente sabe que a população não quer retrocesso. E para isso, temos que fazem bom trabalho”, garantiu o secretário.

O calendário, então, seria institucional em 2015 para se tornar político em 2016. Entre as obras e ações estão o lançamento do campus da Universidade Federal de Goiás (UFG), aeroporto executivo, unidades de saúde e de educação, o Centro de Convenções, o plano diretor, o desvio da BR-153, instalação de iluminação pública com lâmpadas de LED e o plano de manejo do Parque da Serra das Areias.

Fidelidade

Maguito é sagaz, pois com a gestão bem avaliada, ventila um nome bastante próximo e de confiança. Na reunião, pediu que os titulares das pastas mais estratégicas entreguem, nas próximas semanas, cronogramas de obras a serem finalizadas e lançadas neste ano.

E quem seria a figura ideal para estar à frente desses eventos e se cacifando diante o eleitorado? Justamente Euler, ex-deputado estadual e líder dos programas sociais de quando Maguito era governador.

Em outros tempos o secretário deu sinais de fidelidade não só a Maguito, mas também ao líder número um do PMDB, Iris Rezende. “Já saí do partido para presidir o PSC, por oito anos, pois na época não tínhamos nenhum apoiador”, relembrou, citando eleições passadas ao governo estadual.

Mas Euler destacou que apesar das especulações, foca em fazer seu trabalho. “Lá na frente, as coisas vão acontecer naturalmente. E se ocorrer, com certeza terei o apoio do Maguito para fazer uma boa campanha. Mas o comandante é ele”, afirmou, ressaltando que o processo deve acontecer espontaneamente.

Deixe um comentário