Servidores se mobilizam contra nova reforma da Previdência municipal e cobram arquivamento

Audiência marcada para esta segunda-feira (9) irá debater as reivindicações da categoria

Arquivo

Ângela Moureira

Na luta contra a reforma da Previdência municipal, servidores de Goiânia apontam para inconstitucionalidades no novo texto apresentado pela gestão do prefeito Iris Rezende (MDB) na última semana. Em nota assinada por sete sindicatos que representam a categoria e encaminhada ao presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, Wellington Peixoto (MDB), é solicitado o arquivamento do novo projeto, caso o Paço não atenda às reivindicações.

Os servidores alegam que, mesmo após três reuniões com os representantes do governo municipal, não foi possível chegar a qualquer acordo. O tema será alvo de audiência pública marcada para esta segunda-feira (9/7).

“Solicitamos que faça o sobrestamento do projeto até que haja um acordo formalizado entre o Fórum Sindical e o governo municipal, devidamente referendado pela Assembleia Geral dos Servidores, pois da forma que se encontra é totalmente prejudicial e comprometerá a aposentadoria dos servidores municipais de Goiânia”, informa o comunicado.

O projeto de numero 17/2018, que chegou à Câmara Municipal de Goiânia na semana passada, manteve pontos polêmicos do último texto, como o aumento da alíquota de contribuição de 11% para 14% e uso de recursos da dívida ativa do município e de venda de áreas municipais para equilibrar as contas do Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Goiânia (IPSM).

Segundo o vereador Wellington Peixoto, presidente em exercício da CCJ, a audiência pública desta segunda (9) tem justamente como intuito ouvir o Sindicato dos Servidores do Município, discutir e esclarecer alguns pontos do projeto de lei que prevê a reforma do Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Goiânia (IPSM).

Deixe um comentário