Servidores públicos estaduais reivindicam pagamento da folha de dezembro

Manifestantes se reuniram em frente à secretaria da Fazenda durante reunião do governador Ronaldo Caiado com equipe técnica do Governo Federal

Foto: divulgação

O Fórum em Defesa dos Servidores Públicos do Estado de Goiás, composto por 45 sindicatos e associações unificadas, realiza uma manifestação, na tarde desta segunda-feira, 14, na porta da secretaria da Fazenda, em Goiânia.

O protesto, que reivindica o pagamento da folha salarial de dezembro de 2018 dos servidores públicos, ocorre simultaneamente à primeira reunião do governador Ronaldo Caiado com a equipe técnica do Governo Federal que veio de Brasília para avaliar a situação fiscal do Estado.

De acordo com o presidente do Sindicato do Policiais Civis do Estado de Goiás (Sinpol),  Paulo Sério Paulo Araújo, o objetivo da manifestação é protestar contra o atraso do pagamento dos servidores. “Salário é alimento. Nós temos contas para pagar. Se houve irresponsabilidade no governo passado, nós não somos os culpado. Esse governo agora tem a responsabilidade de arcar com esse ônus”, disse o policial.

Na sexta-feira, 11, o Sinpol entrou com uma ação, com pedido de liminar, para exigir o pagamento do salário de dezembro dos servidores. “Estamos aqui para mostrar para o sociedade e tentar sensibilizar o novo governo. Confiamos que ele (Caiado) irá conseguir resolver essa que hoje é a maior crise do governo que se inicia”, destacou o presidente.

Ainda nesta tarde, conforme explicou Paulo, haverá uma Assembleia Geral, onde serão repassados aos trabalhadores a real situação sobre o pagamento. No entanto, ele diz que ainda não há indicativo de greve e se tiver será definido por cada categoria separadamente.

Paulo Sérgio acredita que a possível inclusão de Goiás ao Regime de Recuperação Fiscal do Governo Federal vai prejudicar os servidores. “Evidentemente esse regime irá exigir que não se dê promoções, que não tenha reposição salarial. Ou seja, estão usando a crise do servidor público para conseguir o regime de recuperação fiscal que vai prejudicar ainda mais o trabalhador”, falou o presidente do sindicato.

Já o presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Goiás (SindiPúblico), Nylo Sérgio, disse que as entidades não vão aceitar que o pagamento da folha de dezembro seja postergado e que tem uma reunião marcada com o governador Caiado, na próxima quinta-feira, 17. “Estamos defendendo principalmente o pagamento da folha de dezembro, o qual foi veiculado que ficará para depois do pagamento da folha de janeiro. As entidades não aceitaram a proposta de parcelamento do salário feita pelo governador Caiado e também não aceita que esse pagamento seja postergado”, disse.

Em nota, o Sindicato dos Servidores do Sistema de Execução Penal do Estado de Goiás (Sinsep), que representa os agentes de Segurança Prisionais e de todos os servidores da Execução Penal do Estado, informou que ingressou na manha desta segunda com mandado de segurança coletivo.

“Nosso objetivo é que a próxima administração pública estadual efetue o pagamento imediato dos servidores, verba fundamental a manutenção, com sua natureza de caráter alimentar, constituindo-se meio de subsistência e sustento familiar dos servidores, diante da ausência de outros meios capazes de garanti-los”, disse o presidente Maxsuell Miranda.

Reunião

Durante a primeira reunião de uma série de encontros com a equipe técnica do Ministério da Economia para Goiás, foi apresentado o processo orçamentário do Estado e, após isso, o governador Ronaldo Caiado (DEM) concedeu uma rápida coletiva onde reafirmou a situação financeira do estado.

Dentre outros pontos, Caiado voltou a citar os atrasos na bolsa universitária e a situação da Segurança Pública, além de afirmar que a saúde do Estado teria uma dívida de R$ 320 milhões referente repasse de 13 meses, além de outros repasses que continuam em débito com municípios, totalizando 10 meses.

Sobre a reunião, o governador apenas deliberou que “espera, como todo o Estado de Goiás, como todos os goianos, uma transparência completa dos dados” e que “todos tenham o conhecimento da realidade fiscal do Estado, a que ponto levaram o nosso estado nos últimos 20 anos”.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rondinelli Rosa

E os credores na cola de nós servidores, por exemplo o aluguel da minha casa com dez dias de atraso, água, energia, internet e daqui uns dias alimentação…. NÃO SOMOS VALORIZADOS E ISTO É UMA VERGONHA.

Emmanuella Gomes de Oliveira

Me responde uma coisa: dá para parcelar a Celg, a Saneago, o IPTU, as contas de supermercado, em suaves parcelas sem juros e correção monetária, do jeitinho que o senhor, governador Caiado, quer parcelar nosso salário?

António

Esse governador mais nunca ganha política