Servidores realizam novo protesto contra gestão Iris e ameaçam greve

Grupo reivindica principalmente o pagamento da data-base, que não é concedido há dois anos

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sindicatos de várias categorias de servidores municipais reúnem-se, na manhã desta quinta-feira (21/6), em frente à Câmara Municipal de Goiânia, para a realização de nova assembleia geral, que deve deliberar quanto à possibilidade de greve da categoria.

O grupo reivindica principalmente o pagamento da data-base, que não é concedido há dois anos. Além disso, as categorias pedem concessão das progressões salariais, pagamento do piso dos professores, melhores condições de trabalho e melhorias no atendimento do Instituto de Assistência à Saúde e Social dos Servidores de Goiânia (Imas).

A relação do Executivo com os servidores piorou ainda mais após a tentativa frustrada da prefeitura de aprovar projeto de reforma da Previdência Municipal. A matéria, que aumentava a alíquota de contribuição dos servidores de 11% para 14% ao Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Goiânia (IPSM), acabou sendo arquivada em votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara no mês passado.

Participam da manifestação lideranças do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Goiás (Sintego), do Sindicato dos Servidores Municipais de Goiânia (SindiGoiânia), da Central Única dos Trabalhadores de Goiás (CUT-Goiás), do Sindicato dos Servidores da Saúde de Goiás (Sindisaúde), do Sindicato dos Funcionários da Fiscalização Municipal de Goiânia (Sindiffisc), entre outros.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.