Servidores denunciam falta de repasse do Governo aos bancos em empréstimo consignado em folha

Presidente do Sintego, Bia de Lima diz que prática é antiga e que orientação é ignorar as cartas; No contrato, agência sabe que é o Estado que vai pagar, então não pode negativar trabalhadores

Servidores recebem com frequência carta de “não repasse” | Foto: Arquivo pessoal

A Associação Mobilização dos Professores de Goiás (AMPG) entrou em contato com o Jornal Opção para denunciar uma suposta prática irregular do Governo. Segundo informado, apesar de descontar o empréstimo consignado dos trabalhadores em seus pagamentos, o Estado não estaria repassando aos bancos, o que geraria a inclusão dos servidores no Sistema de Proteção ao Crédito (SPC).

Thiago Oliveira Martins, coordenador de comunicação da AMPG, informou que pelo menos 15 pessoas o procuraram e, inclusive, os atrasos chegam até 13 meses. “Muitos já entraram com processo contra o Estado e o Banco”, revelou ao dizer que um dos professores chegou a receber sete cartas da unidade bancária que informava o não recebimento.

O docente informou que os funcionários têm o prejuízo, ao serem negativados, de não poderem pegar cheque especial ou empréstimo, além de outros problemas. Ele afirma, também, que o banco sabe dessa postura do Estado, mas mesmo assim negativa o funcionário. Como a maioria dos professores têm salários vinculados à Caixa Econômica Federal, lá é a unidade com maior número de prejudicados, declarou Thiago.

Caso

Uma professora do Estado, que pediu para não ser identificada, afirmou que, apesar de receber as cartas, o seu nome não foi negativado. No entanto ela tentou fazer outro empréstimo no banco e não conseguiu.

Ela informou que pretende entrar com um processo contra o Estado caso seja negativada. “Outros colegas meus passam por isso. Quando chega para mim, chega para eles… Todos que têm empréstimos na Caixa têm recebido”.

A docente diz que outra professora, que tinha conta em uma agência diferente da Caixa, teve o nome incluído no SPC. Ela entrou na Justiça, conforme a fonte, e ganhou R$ 9 mil em uma ação contra o Governo.

Sintego

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego), Bia de Lima, disse que essa prática é antiga e que a orientação aos professores é ignorar a carta e não ir ao banco pagar, pois já foi descontado na folha. “No contrato com governo, o banco já sabe que é o Estado que vai pagar”, afirmou e classificou a atitude das agências como “estratégia sacana”.

Ela garante que os professores não ficarão inadimplentes, mas entende o servidor fica angustiado. “É uma péssima estratégia”, repreendeu Bia. “Os bancos fazem isso como mecanismo para o servidor fazer pressão no governo. Mas eu não vou brigar para o governo pagar banco. Vou brigar para pagar o salário, que até hoje não pagou dezembro a todos”.

O Jornal Opção entrou em contato com a Secretaria de Estado de Economia e aguarda um posicionamento sobre o tema. Também é tentado contato com a Caixa Econômica. A matéria poderá ser atualizada.

0 resposta para “Servidores denunciam falta de repasse do Governo aos bancos em empréstimo consignado em folha”

  1. Maria Aparecida de Assis Teles Santos disse:

    A situação continua a mesma, nesta data , 04/10/19, continuo recebendo cartas de cobrança da Caixa Econômica Federal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.