“Sentimento de vergonha pelo comportamento baixo a que algumas pessoas podem chegar”, diz Lula

Procuradora pede desculpa ao ex-presidente e confirma veracidade de vazamentos do site The Intercept Brasil

Foto: Reprodução

Após vazamentos de novos diálogos entre integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato, pelo UOL em parceria com o site The Intercept Brasil, a procuradora Jerusa Viecili usou as redes sociais para pedir desculpas ao ex-presidente Lula. Com essa atitude, ela confirma a autenticidade dos diálogos em que integrantes da Lava Jato ironizaram a morte da esposa de Lula, Marisa Letícia, e os pedidos do ex-presidente para ir aos enterros de familiares que morreram.

“Errei. E minha consciência me leva a fazer o correto: pedir desculpas à pessoa diretamente afetada, o ex-presidente Lula”, diz a procuradora.

Após repercussão do pedido de desculpas, Jerusa voltou às redes socais e ponderou que o reconhecimento da autenticidade de trecho publicado pelo UOL não significa que ela endosse todas as outras publicações em que é mencionada.

“Lembrar de uma mensagem não autentica todo o conjunto. A existência de mensagens verdadeiras não afasta o fato de que as mensagens são fruto de crime e têm sido descontextualizadas ou deturpadas para fazer falsas acusações”, argumentou a procuradora.

Ainda segundo Jerusa, os procuradores da Lava Jato nunca negaram que há mensagens verdadeiras, exatamente porque foram efetivamente hackeados. “Contudo, não é possível saber exatamente o quanto está correto, porque é impossível recordar de detalhes de 1 milhão de mensagens em 5 anos intensos”, completou.

Peço a Deus que ilumine essa gente, que poupe suas almas de tanto ódio, rancor e soberba

O ex-presidente Lula comentou os diálogos da Lava Jato. “Peço a Deus que ilumine essa gente”, afirmou. Confira a nota na íntegra:

“Foi com extrema indignação, com repulsa mesmo, que tomei conhecimento dos diálogos em que procuradores da Lava Jato referem-se de forma debochada e até desumana às perdas de entes queridos que sofri nos anos recentes: minha esposa Marisa, meu irmão Vavá e meu netinho Arthur.

Confesso que foi um dos mais tristes momentos que passei nessa prisão em que me colocaram injustamente. Foi como se tivesse vivido outra vez aqueles momentos de dor, só que misturados a um sentimento de vergonha pelo comportamento baixo a que algumas pessoas podem chegar.

Há muito tempo venho dizendo que fui condenado por causa do governo que fiz e não por ter cometido um crime sequer. Tenho claro que Moro, Deltan e os procuradores agiram com objetivo político, pois me condenaram sem culpa e sem prova, sabendo que eu era inocente.

Mas não imaginava que o ódio que nutriam contra mim, contra o meu partido e meus companheiros, chegasse a esse ponto: tratar seres humanos com tanto desprezo, como se não tivessem direito, no mínimo, ao respeito na hora da morte. Será que eles se consideram tão superiores que podem se colocar acima da humanidade, como se colocam acima da lei?

Peço a Deus que ilumine essa gente, que poupe suas almas de tanto ódio, rancor e soberba. Quanto aos crimes que cometeram contra minha família e contra o povo brasileiro, tenho fé que, deles, um dia a Justiça cuidará.”

Luiz Inácio Lula da Silva

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.