Sem registro, Consciência 91 aposta que disputará eleições de outubro

Apoiadores da nova legenda precisam reunir até abril cerca de 492 mil assinaturas para se tornar o 34º partido do Brasil  

Edmilson Silveira, do Consciência 91, articula viabilização do partido | Foto: rede social

Cotado para se tornar o 34º partido registrado no Superior Superior Eleitoral (TSE), o Consciência 91 aposta que irá disputar as próximas eleições. Para tanto, tem dialogado com lideranças políticas, dentre as quais o prefeito de Aparecida de Goiânia, para um eventual apoio. “A gente já tem umas conversas importantes, pessoas que têm uma base eleitoral, inclusive essas pessoas também estão nos ajudando na coleta de assinaturas. Temos uma conversa bem avançada com o pré-candidato ao governo do Estado, Gustavo Mendanha (sem partido)”, afirma o secretário nacional e presidente do Consciência em Goiás, Edmilson Silveira. 

Ele acrescenta que a legenda também vem formatando uma chapa para disputar a eleição, mas reforça que a prioridade é a coleta de assinaturas. Isso porque, há o calendário eleitoral determinado pela Justiça, no qual para se estar apto a concorrer a um mandato em 2 de outubro, é necessário apresentar filiação a uma legenda seis meses antes. E para a homologação de um partido são necessárias 492 mil assinaturas. Por enquanto, o Consciência encaminhou ao TSE 360 mil assinaturas. 

Silveira explicou que foi montado uma estratégia de coleta de assinaturas em 16 estados, quando são exigidos articulações em nove deles. O intuito do grupo é conseguir mais assinaturas do que o exigido para evitar prováveis fichas rejeitadas pela Justiça, durante a checagem nos cartórios. Segundo ele, as assinaturas atuais já estão sendo processadas pelo TSE. “Nossa meta é finalizar esse processo até final de fevereiro”, estima, acrescentando que o prazo para averiguação das fichas é em abril. “A questão interna do TSE já não depende de nós, mas as exigências deles, em relação a criação do Consciência, nós vamos atender todas”, salienta. 

Com prerrogativa de partido novo, o Consciência pode, por exemplo, receber parlamentares, sem o risco de perda do mandato. E, com isso, caso o registro aconteça dentro do prazo, o partido deve atrair nomes. “Nós não temos janela, na hora que tiver o registro, e o partido foi liberado pelo TSE, eu acredito que a gente vai ter um prazo mínimo para efetivar as filiações para aqueles que queiram ser candidatos”, prevê. Além disso, o grupo também debate se irá lançar candidato à presidência da República ou apoiar um dos pretensos pré-candidatos.    

3 respostas para “Sem registro, Consciência 91 aposta que disputará eleições de outubro”

  1. Avatar Cláudio Roberto da Silva disse:

    Vamos lutar pelo nosso Brasil, verde amarelo que Deus nos abençoe

  2. Avatar Maria disse:

    Gostaria de saber onde estão as assinaturas necessárias porque no site do tse esse partido está com zero de assinaturas aptas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.