Sem pagamento, servidora do HDT relata que alguns colegas já estão “passando fome”

OS diz que quitação do salário dos trabalhadores será realizada assim que o instituto receber o devido repasse

Foto: Reprodução

Trabalhadores do Hospital de Doenças Tropicais de Goiânia (HDT) se mobilizaram, na manhã desta terça-feira, 30, para reivindicar o pagamento dos salários atrasados. O descumprimento dos prazos já se arrasta por diversos meses. Conforme mostrado pelo Jornal Opção anteriormente, esta não é a primeira vez que servidores do HDT se reúnem para cobrar o que lhes é de direito.

A reportagem conversou com a técnica em enfermagem Úrsula Dantas. Ela, que trabalha na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da unidade, relatou que muitos colegas já estão “passando fome”. “Vejo pessoas deixando de comer o alimento ofertado pelo hospital para levar para casa e dar aos filhos”, disse.

Dantas participou — minutos antes do início da mobilização — de uma reunião com diretores do hospital que informaram, segundo seu relato, que a instituição não tem recebido os repasses dentro do prazo estipulado em contrato.

“Eles falam que desde 2018 estão com um grande buraco por falta de repasse e quando o governador (Ronaldo Caiado) assumiu, ele se comprometeu a arcar apenas com as despesas geradas a partir de 2019. Porém, eles argumentam que o buraco ainda está lá e que os repasses não são suficientes para arcar com toda a despesa acumulada”, explicou. 

Segundo a técnica, os gestores detalharam que foram realizados dois repasses ao instituto: o primeiro em 13 de junho e o segundo no dia 28 do mesmo mês. “Esses valores, segundo eles, foram utilizados para pagar as despesas hospitalares e a folha de pagamento do mês de maio. De lá para cá, nada mais foi repassado”, diz a profissional com base no que foi repassado pelos gestores. 

O ISG se posicionou por meio de nota onde disse que o instituto, mesmo com os efeitos da crise econômica afetando a regularidade dos repasses desde o ano passado, “tem procurado priorizar ao máximo o pagamento aos colaboradores”. O documento diz ainda que a “quitação do salário dos colaboradores em julho será realizada assim que o ISG receber o devido repasse do mês”.

Por fim, reiterou: “Confiando nos esforços do atual governo em promover o reequilíbrio dos contratos, o ISG segue com seu compromisso de salvar vidas, atuando para mitigar, assim que possível, os transtornos ocasionados pela escassez de recursos tão logo haja a normalidade dos repasses previstos para o contrato de gestão”.

A SES também se posicionou:

A atual gestão da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES) esclarece que trabalha para realizar regularmente os repasses às Organizações Sociais (OS) que gerenciam as unidades hospitalares da rede estadual. O contrato com o Instituto Sócrates Guanaes (ISG), que gerencia o Hospital de Doenças Tropicais Dr. Anuar Auad (HDT), encerrou-se no fim do mês de junho, com os repasses referentes à 2019 regularmente em dia. Um novo aditivo foi assinado esta semana para prorrogação do contrato por mais 180 dias. Após a outorga da Procuradoria-Geral do Estado e de acordo com a liberação dos recursos para a SES, os valores referentes ao período sem vigência de contrato serão repassados à unidade, conforme preconizado pela legislação em vigor.

Neste mês de julho, a SES já notificou o ISG para regularização do pagamento dos trabalhadores do HDT e do Centro Estadual de Atenção Prolongada e Casa de Apoio Condomínio Solidariedade. De acordo com o contrato de gestão firmado entre a SES e o ISG, a Secretaria realiza os repasses e a Organização Social se responsabiliza integralmente pelo pagamento de salários, demais encargos trabalhistas, previdenciários, fiscais, comerciais e outros dos trabalhadores da unidade.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Givanildo Garcia

Antes das os só os usuários da saúde pareciam, agora também os trabalhadores com salários baixos e ainda em atraso , fora essas” organizações criminais” e volte a saúde para o estado.