Sem Moro, Lula fica com 42%, Bolsonaro com 33%; Ciro chega a 10% e tucanos não passam de 5%

Pesquisa foi divulgada na última quinta-feira, 21, e aponta uma redução na diferença entre Lula e Bolsonaro no segundo-turno, que caiu de 13% para 9% 

Sem o ex-ministro Sérgio Moro (União Brasil), a pesquisa divulgada nesta quinta-feira, 21, pela Revista Exame (Exame/Ideia) aponta que deve ter um segundo turno entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que aparece com 42% no primeiro cenário e 43% no segundo cenário, e o presidente Jair Bolsonaro, que aparece com 33% no primeiro cenário e 34% no segundo. O instituto ideia levantou dois cenários, o primeiro apresenta o ex-governador de São Paulo João Dória (PSDB), que aparece com 3%, e o segundo apresenta o ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite (PSDB), que aparece com 4%.  

O terceiro colocado nos dois cenários é o ex-ministro da Economia Ciro Gomes (PDT). O pedetista é lembrado por 10% no cenário em que é colocado o nome do ex-governador de São Paulo João Dória, e mantém a mesma proporção quando o postulante tucano é o ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite.  

Em quarto lugar aparecem os tucanos. No cenário com João Dória, a senadora Simone Tebet (MDB), o deputado federal André Janones (Solidariedade), a economista Sofia Manzano (PCB), o ex-deputado federal José Maria Eymael (DC) e Leonardo Pericles (UP) aparecem com 1%, cada, e estão empatados tecnicamente com o presidenciável tucano dentro da margem de erro (que é de 3% para mais ou para menos). Os demais presidenciáveis não pontuaram mais de 1%, e nulos e brancos (1%) e indecisos (6%) somam 7% do eleitorado entrevistado.  

No cenário com Eduardo Leite, Tebet, Manzano, Eymael e Andre Janones têm 1% cada. Os demais, Luiz Felipe D’Ávila (Novo), Vera Lúcia (PSTU), Leonardo Péricles, Luciano Bivar (União Brasil) e Aldo Rebelo (PDT) foram lembrados, mas não pontuaram mais do que 1%. Nulos e brancos (1%) e indecisos (4%) somam 5%, que fazem a garantia de segundo turno.  

Segundo turno  

Foram testados cinco cenários de segundo turno. Quando o Lula e Bolsonaro se enfrentam, a diferença caiu de 13% para 9%. O petista aparece com 48% e Bolsonaro com 39%; contra Dória, Lula aparece com 50%, contra 26% para o tucano; e contra Ciro Gomes, o petista aparece com 45% frente a 32% do pedetista.  

Ciro também venceria Bolsonaro, mas os dois estão empatados tecnicamente (dentro da margem de erro). O pedetista aparece com 41% e Bolsonaro está com 37%. A maior vantagem de Bolsonaro é quando o liberal é testado com o ex-governador paulista João Dória. Neste cenário, o presidente aparece com 38% contra 29% para o tucano.  

A pesquisa encomendada pela Revista Exame e está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número BR-02495/2022. Aconteceu entre os dias 15 e 20 de abril, quando foram ouvidas 1,5 mil pessoas por telefone. A margem de erro, como citada acima, é de 3% para mais, ou para menos.  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.