Sem Caiado e Daniel, Eliton tem espaço maior para apresentar propostas em debate

Tucano perguntou e foi questionado sobre diversos temas pelos governadoriáveis do PT e PSOL, Kátia Maria e Weslei Garcia, únicos a comparecerem ao confronto

Divulgação

Sem a presença dos candidatos Ronaldo Caiado (DEM) e Daniel Vilela (MDB), o segundo debate realizado pela TV Brasil Central (TBC), na noite desta segunda-feira (17/9), serviu para que o governador e candidato à reeleição, José Eliton (PSDB), contasse com espaço maior para apresentar suas propostas.

Já no primeiro bloco do programa, o tucano perguntou e foi questionado sobre diversos temas pelos governadoriáveis do PT e PSOL, Kátia Maria e Weslei Garcia, únicos a comparecerem ao confronto.

Os dois candidatos de oposição fizeram ataques à atual gestão, focando as críticas a temas como Educação, funcionalismo público e incentivos fiscais. Nas respostas, Eliton voltou a falar dos avanços do Estado nos temas citados ao longo dos últimos mandatos, mas não deixou de citar propostas novas, como o programa que fornece mestrado aos professores da rede estadual, batizado de “Professor Mestre”.

Entre os momentos de maior tensão, Zé Eliton foi acusado por Kátia Maria de ignorar a obrigatoriedade de pagar piso salarial para os professores e o governador lembrou que toda negociação do governo para o pagamento do piso contou com a participação de Bia de Lima, presidente do Sindicato dos Servidores da Educação (Sintego) e petista.

Temas relacionados ao direito das mulheres e à violência doméstica também permearam o embate. Eliton defendeu a criação de uma rede de proteção e citou os esforços da atual gestão neste sentido. Também falou sobre a participação das mulheres na política, mencionando a indicação da professora Raquel Teixeira (PSDB) à vaga de vice. Sobre o assunto, Kátia defendeu políticas públicas efetivas e criticou qualquer tentativa de colocar o peso da violência doméstica sob as vítimas.

No confronto, o governador também fez a defesa da política de incentivo fiscal adotada pelo Estado, enquanto os opositores defenderam sua revisão. Kátia e Weslei questionaram, inclusive, o papel do agronegócio na economia goiana e exigiram contrapartida dos empresários do setor.

Ambos os candidatos, assim como nos confrontos anteriores, também citaram temas nacionais, como a reforma trabalhista. Kátia não deixou de pedir voto para Fernando Haddad, presidenciável do PT.

Apesar de estar ausente no debate, o senador Ronaldo Caiado (DEM) foi alvo de críticas dos candidatos presentes. Sem nominar o senador, Eliton criticou políticos “que estão no Congresso há 35 anos, nunca fizeram nada pela segurança e agora prometem combater o crime com varinha de condão”.

Em diversas outras ocasiões ao longo das quase duas horas em que durou o programa, os três governadoriáveis lamentaram e criticaram a ausência dos outros dois no programa. “Acho lamentáveis as faltas dos candidatos, acho dois fujões”, atacou Weslei.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.